Em live, Bolsonaro diz que ato com Pazuello não foi político: ‘Era em apoio ao presidente’

'Tinha alguma bandeira de partido político? Nada', declarou o presidente; ele também voltou a negar o golpe militar de 1964

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Política

Horas depois de o Exército livrar o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, de qualquer punição por comparecer a uma manifestação com Jair Bolsonaro, o presidente da República afirmou que o ato não foi político.

 

 

“Foi um movimento de motociclistas, pela liberdade e em apoio ao presidente Jair Bolsonaro. Alguma coisa política nisso? Tinha alguma bandeira vermelha lá? Acho que ninguém tem coragem de levantar uma bandeira vermelha no meio daquele povo. Tinha alguma bandeira de partido político? Nada”, disse Bolsonaro durante transmissão ao vivo nas redes sociais.

O chefe do Palácio do Planalto ainda anunciou que participará de mais um movimento com motociclistas, dessa vez em São Paulo.

Na live, da qual também participou o ministro da Educação, Milton Ribeiro, o presidente voltou a dizer que não houve golpe em 1964.

“A esquerda fala muito de golpe militar. O presidente era João Goulart, ele saiu, entrou o marechal Castello Branco, militar. Para o pessoal que vai fazer o Enem aí: quando é que o Castello Branco assumiu? 31 de março, 2 de abril, 11 de abril ou 15 de abril? Foi dia 15 de abril. 31 de março não aconteceu nada, Goulart continuava a ser presidente. Ele deixou de ser presidente no dia 2 de abril, por uma votação do Congresso Nacional”, disse.

“A esquerda não toca nesse assunto, só diz que foi um golpe. Não diz que o Castello Branco foi eleito à luz da Constituição”, acrescentou.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem