Justiça

Em despedida no STF, Aras critica ‘narrativas inverídicas’ sobre sua gestão na PGR

O procurador-geral da República encerra seu mandato na semana que vem; o novo indicado ainda não foi escolhido por Lula

O PGR, Augusto Aras, no STF. Foto: Carlos Moura/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

Em sua despedida no Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República, Augusto Aras, aproveitou para defender a sua gestão à frente do órgão, nesta quinta-feira 21. O mandato do PGR termina em 26 de setembro e ele tem poucas chances de ser reconduzido ao cargo pelo presidente Lula (PT).

“Os desafios dos últimos quatro anos foram adicionalmente cercados por incompreensões e falsas narrativas, dissonantes com o trabalho realizado, documentado e publicizado, e agora também organizado no relatório final de gestão que recém divulgamos”, alegou Aras.

Segundo ele, a impressão negativa sobre sua gestão está ligada à expectativa de que a PGR encampasse projetos políticos. 

“Ao Ministério Público, tal como ao Judiciário, a Constituição veda expressamente a atividade político-partidária. Nossa missão não é caminhar pela direita ou pela esquerda, mas garantir a todos Justiça, liberdade, igualdade e dignidade, no âmbito da Ordem Jurídica”, prosseguiu.

Aras criticou o que chamou de “narrativa inverídica de alguns sobre a pandemia” e recomendou a leitura do livro Ações que Salvam, com um balanço do órgão no combate à Covid-19. 

Lula já deixou claro que não pretende seguir a lista tríplice elaborada por entidades ligadas à PGR. Entre os favoritos para chefiar o órgão estão o subprocurador Antônio Carlos Bigonha e o vice-procurador-geral eleitoral Paulo Gonet Branco. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo