Política

Eleições: FHC não cita Lula, mas pede voto ’em quem tem compromisso com o combate à pobreza’

A nota divulgada faz menções aos principais pontos defendidos pela campanha do petista

'O PT e o PSDB sempre ocuparam o mesmo campo da social-democracia' (Foto: Ricardo Stuckert / PR)
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) divulgou nesta quinta-feira 22 uma nota com suas posições eleitorais no primeiro turno deste ano. No texto, ele não cita nominalmente Lula (PT), mas as menções positivas aos principais pilares do plano de governo do petista deixam poucas margens para dúvidas.

“Peço aos eleitores que votem no dia 2 de outubro em quem tem compromisso com o combate à pobreza e à desigualdade”, diz o trecho principal do posicionamento de FHC.

No documento, o ex-presidente segue então dizendo que a melhor opção para os eleitores é alguém que ‘defende direitos iguais para todos’, ‘se orgulha da diversidade cultural’ e ‘está empenhado na preservação de nosso patrimônio ambiental’. Todos os itens integram a base do programa petista e são opostos ao que defende Jair Bolsonaro (PL).

FHC cita ainda o ‘fortalecimento das instituições’ como outro ponto que deve ser levado em conta no dia 2 de outubro. A afirmação é uma resposta direta aos ataques de Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal, ao Tribunal Superior Eleitoral e aos seus ministros.

“[Votem em quem] está empenhado na preservação de nosso patrimônio ambiental, no fortalecimento das instituições que asseguram nossas liberdades e no restabelecimento do papel histórico do Brasil no cenário internacional”, elenca o tucano.

Com o texto, FHC faz coro a outros antigos adversários de Lula em prol da vitória do petista já no primeiro turno. Entre os apoios mais recentes angariados pelo petista estão Henrique Meirelles, Cristovam Buarque, tucanos de Goiás e até Miguel Reale Júnior, autor do impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Todos, nos últimos 7 dias, defenderam voto em Lula diante das circunstâncias políticas atuais.

Outros nomes ainda mais próximos de Fernando Henrique também já haviam se posicionado em favor do petista. São eles: Sergio Fausto, diretor-geral da Fundação FHC, José Carlos Dias, ex-ministro da Justiça durante seu governo, e José Gregori, seu ex-secretário de Direitos Humanos.

Além disso, outros tucanos também são aliados da candidatura de Lula. É o caso de Aloysio Nunes, ex-senador, e César Maia, ex-prefeito do Rio e que ocupa o posto de vice na chapa com Marcelo Freixo (PSB) na disputa pelo governo do estado. Oficialmente, no entanto, o PSDB ainda mantém o apoio ao nome de Simone Tebet (MDB), o que pode ter motivado FHC a não citar nominalmente Lula.

Leia a íntegra da nota divulgada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso:

Nota pública | Voto Pró-Democracia nas Eleições:

Como é do conhecimento público, tenho idade avançada e, embora não apresente nenhum problema grave de saúde, já não tenho mais energia para participar ativamente do debate político pré-eleitoral.

Peço aos eleitores que votem no dia 2 de outubro em quem tem compromisso com o combate à pobreza e à desigualdade, defende direitos iguais para todos independentemente da raça, gênero e orientação sexual, se orgulha da diversidade cultural da nação brasileira, valoriza a educação e a ciência e está empenhado na preservação de nosso patrimônio ambiental, no fortalecimento das instituições que asseguram nossas liberdades e no restabelecimento do papel histórico do Brasil no cenário internacional.

Fernando Henrique Cardoso
Ex-presidente da República

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.