Eleições 2020: Candidatos iniciam corrida eleitoral em São Paulo

Veja como foi o início das campanhas de Boulos (PSOL), Tatto (PT), Orlando Silva (PcdoB), Márcio França (PSB) e Bruno Covas (PSDB)

Eleições 2020: Candidatos iniciam corrida eleitoral em São Paulo

Política

O domingo 27 foi marcado pelo início das campanhas dos candidatos à prefeitura de São Paulo. Passeatas aconteceram em diversos pontos da cidade dando início à corrida eleitoral para as eleições municipais que acontecem nos dias 15 e 29 de novembro.

Veja o dia de campanha dos principais candidatos na cidade.

 

Boulos começa campanha na periferia: “O nosso lado é da ponte pra cá”

 

Guilherme Boulos (PSOL), que faz chapa com Luiza Erundina, começou a campanha na zona leste da cidade. O candidato inaugurou um comitê no bairro de São Mateus.

“Mais do que o peso simbólico, a inauguração deste comitê mostra que a periferia terá prioridade na nossa campanha, antecipando o que será nossa gestão a partir de primeiro de janeiro: uma prefeitura que inverta prioridades, colocando a periferia no centro”, declarou Boulos.

“O nosso lado é da ponte pra cá, ao lado da população mais pobre”, acrescentou.

 

Créditos: divulgação/redes sociais

 

Desde o início de setembro, Boulos tem realizado encontros com moradores e lideranças em diversos bairros distantes da região central, como Cidade Tiradentes, Jardim Ângela, Grajaú e Brasilândia.

 

Jilmar Tatto fala em “justiça social e fiscal” para a cidade

 

O candidato à Prefeitura pelo PT, Jilmar Tatto, iniciou a campanha na unidade do Centro Educacional Unificado (Ceu) São Mateus, na zona leste da capital paulista.

Tatto enalteceu as ideias e ações do partido na cidade. “Praticamente quase tudo de bom que tem em São Paulo tem o dedo e a ideia do PT, como a criação dos CEUs, que eu tive a oportunidade de participar da concepção. O CEU de São Mateus, aqui onde estamos hoje lançando a campanha, é um exemplo disso”, disse.

 

Créditos: Reprodução / Redes Sociais

 

Tattoo prometeu justiça social e fiscal para a cidade. “Nós vamos ter que fazer justiça fiscal e social na cidade de São Paulo. Os bilionários vão ter que pagar essa conta. Enquanto eles falam em retirar direitos e privatizar, nós vamos fortalecer o Estado”, declarou.

 

Orlando Silva fala em “obsessão por emprego”

 

O candidato à Prefeitura pelo PCdoB, Orlando Silva, escolheu a comunidade Monsenhor, Jardim Clímax, zona sul de São Paulo, para lançar sua candidatura. “Eu quero ser o prefeito preto de São Paulo para governar a cidade para quem mais precisa”, disse a apoiadores neste domingo.

Silva defendeu a organização de trabalhadores e trabalhadoras e afirmou que o problema do emprego deve ser uma obsessão diária. “A gente vai ter que fazer um programa grande de emprego na cidade. Temos mais de um milhão de trabalhadores desempregados”, disse.

 

Créditos: Jennifer Glass

 

O candidato defendeu obras públicas como geradoras de emprego e também como garantia de melhoria da infraestrutura na cidade, como escolas e praças.

 

São Paulo precisa de um prefeito experiente, diz Márcio França

 

Márcio França, candidato à Prefeitura pelo PSB, iniciou a campanha participando de um adesivaço junto com apoiadores na Praça Charles Miller, no Pacaembu, zona oeste de São Paulo.

Ao lado do vice, Antonio Neto (PDT), França falou sobre a necessidade de ajustar a cidade aos desafios trazidos pela pandemia.

“A cidade precisa se ajustar para uma realidade virtual, à distância, com muita gente por trás das máscaras e, a partir do ano que vem, sem os 600 reais do auxílio emergencial”, declarou.

 

 

Na educação, defendeu escolas abertas aos finais de semana e feriados para que a população mais pobre, sem acesso à internet, consiga ter acesso aos conteúdos remotos ofertados durante a pandemia.

Também sugeriu que postos de saúde funcionem aos finais de semana, para garantir que as pessoas possam fazer exames e cirurgias que estão atrasadas no próximo ano.

 

“Nossa campanha não vai vender sonho, mas realidade”, diz Bruno Covas

 

Candidato à reeleição pelo PSDB, o prefeito Bruno Covas participou de uma missa na paróquia Nossa Senhora da Conceição, no bairro Vila Suzana, na Zona Sul, para iniciar sua campanha. Acompanhado do candidato a vice, Ricardo Nunes (MDB), o prefeito minimizou a sua taxa de rejeição de 30% na mais recente pesquisa Ibope/Estadão: 30% dos eleitores não votariam nele de jeito nenhum.

“A campanha começa hoje. Vamos poder falar explicitamente do que fizemos nos últimos quatro anos. Eu deixo as pesquisas para os cientistas políticos analisarem”, afirmou.

Sobre o apoio do presidente Jair Bolsonaro ao seu adversário, Celso Russomano (Republicanos), que lidera a pesquisa com 24% das intenções de voto, Covas disse que “não escolhe adversário”.

“Nossa campanha, diferente das outras, não vai vender sonho, mas realidade”, afirmou.

 

Russomano prefere a reclusão

 

O candidato à Prefeitura pelo Republicanos, Celso Russomano, não divulgou agendas públicas para o primeiro dia do período de campanha definido pela Justiça Eleitoral e seguiu a estratégia de reclusão.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem