Política

Eleições 2020: Candidata da Rede em SP diz que o campo progressista precisa se reconectar com as pessoas

‘É um campo que se afastou muito do chão das pessoas’, aponta Marina Helou

MARINA HELOU AFIRMA QUE O CAMPO PROGRESSISTA PRECISA SE RECONECTAR COM AS PESSOAS. FOTO: ASSESSORIA DE IMPRENSA
MARINA HELOU AFIRMA QUE O CAMPO PROGRESSISTA PRECISA SE RECONECTAR COM AS PESSOAS. FOTO: ASSESSORIA DE IMPRENSA

A candidata da Rede Sustentabilidade à Prefeitura de São Paulo, Marina Helou, acredita que o campo progressista deveria neste momento se preocupar mais com a retomada da “conexão” com as pessoas do que com as tratativas sobre união nas eleições.

Em entrevista a CartaCapital, ela afirmou que os progressistas precisam voltar a “oferecer soluções que resolvam os problemas reais das pessoas”.

Marina Helou é deputada estadual e foi oficializada pela Rede como candidata à Prefeitura paulistana no dia 15 de setembro. Seu candidato a vice é o empreendedor social Marco Dipreto. Em convenção virtual que lançou a chapa, Dipreto afirmou que “toda a política tem de ser educativa, e nós temos a oportunidade de educar a cidade de São Paulo através da Marina”.

Leia a seguir os principais pontos da entrevista com Marina Helou realizada na terça-feira 22:

CartaCapital: Você disse que sua campanha tem como norte “a redução das desigualdades”. Como lidar com esse que é a raiz de todos os outros problemas em São Paulo?

Marina Helou: A prioridade do meu governo será garantir que todas as pessoas, não importa o bairro em que elas nasceram, tenham acesso a oportunidades e a qualidade de vida. E, para isso, nós vamos ter planos locais, olhando as necessidades, que são diferentes em Parelheiros, na Mooca, na Brasilândia. E, a partir dessa configuração, e priorizando onde mais precisa, vamos combater a desigualdade da cidade de São Paulo.

CC: Mais do que nunca, a pauta ambiental ganha peso nas eleições municipais. Até que ponto uma Prefeitura tem autonomia para promover mudanças significativas na área? Qual será a sua marca nesse aspecto?

MH: A minha marca será a de uma cidade sustentável. A Prefeitura tem muita autonomia e responsabilidade em pensar um novo modelo de desenvolvimento, que seja sustentável, que integre o meio ambiente. Entender que investir em saneamento básico é investir em saúde, que investir em realidades locais é investir em mobilidade e em qualidade do ar. E trarei essa marca porque ainda falta muito para que o meio ambiente seja de fato um tema nas eleições.

CC: Em algum momento houve possibilidade real de união do campo progressista em São Paulo?

MH: Eu fui a última candidatura do campo progressista lançada, porque até o último momento eu tentei conversar com todos os campos, com todos os candidatos. Existe, sim, uma intenção e uma visualização positiva de união, mas existem também projetos diferentes que são legítimos. O que o campo progressista precisa fazer mais do que discutir união é discutir como a gente volta a se conectar com as pessoas, como a gente volta a oferecer soluções que resolvam os problemas reais das pessoas. É um campo que se afastou muito do chão das pessoas, do nosso dia a dia. E o nosso principal desafio é se conectar de novo com as necessidades das pessoas.

CC: Em meio a uma pandemia, os atos de rua ficam comprometidos. Qual é a sua estratégia para enfrentar candidatos mais conhecidos e que têm mais tempo de exposição nos meios tradicionais? As redes sociais ganham uma importância ainda maior?

MH: Com certeza as redes sociais ganharão uma importância ainda maior, mas a pandemia trouxe uma necessidade de inovação para essas eleições que eu acredito que pode ser um grande potencial para a minha candidatura. Temos a inovação como um dos nossos principais pilares. E estamos pensando em muitos planos legais para essas eleições. Para além disso, eu acho que os paulistanos estão cansados das mesmas opções de sempre. E a nossa candidatura é diferente, é nova e mostra que São Paulo tem, sim, opção.

CC: Se você não chegar ao segundo turno, mas o campo progressista estiver representado nele, você tende a apoiar o candidato ou candidata em questão?

Ainda estamos muito longe do segundo turno e eu estou trabalhando bastante para que uma candidata mulher, jovem, com um plano antirracista e de oportunidades iguais para São Paulo esteja no segundo turno.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!