Eduardo Bolsonaro e Ernesto Araújo vão aos EUA “agradecer” Trump

Filho de Jair Bolsonaro, que voltou a criticar o presidente francês Emmanuel Macron, estará nos Estados Unidos nesta 6ª

Foto: Alan Santos/PR

Foto: Alan Santos/PR

Política

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, devem se reunir com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nesta sexta-feira 30. A informação foi anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), nesta quinta-feira 29, em discurso no Palácio do Planalto.

“Eduardo Bolsonaro daqui a pouco viaja para os Estados Unidos. Vai se encontrar com o Donald Trump. Eu quero agradecer publicamente aqui o senhor Donald Trump, a sua defesa do Brasil por ocasião do encontro do G7”, disse o presidente da República. “Nosso governo, como mudou a direção, nós vamos cada vez mais nos aproximar de países que servem de exemplo para nós, que têm os índices melhores, levando-se em conta grande parte do mundo. São esses exemplos que devemos procurar.”

Eduardo Bolsonaro declarou que deve tratar com o chefe de estado americano sobre o recente encontro da cúpula do G7, a preservação da Amazônia e as relações comerciais. O parlamentar também criticou a postura do presidente francês, Emmanuel Macron, sobre os escândalos das queimadas.

“Estarei ao lado do ministro Ernesto Araújo fazendo este agradecimento como deputado federal, porque o peso norte-americano no G7 é essencial e o pêndulo veio para o lado brasileiro por uma questão de justiça. Infelizmente o que ficou certo aí é o presidente Macron querendo usar da Amazônia para fins políticos, já que a popularidade dele está em baixa”, disse Eduardo.

Pelo Twitter, Trump elogiou os esforços do presidente Bolsonaro para conter as queimadas na Amazônia e declarou “apoio total” dos EUA. Entre as promessas de Trump para o Brasil, estão os benefícios na área de defesa em aliança preferencial fora da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), o ingresso à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a celebração de um acordo de livre comércio.

Cotado para a embaixada em Washington, o filho do presidente da República ainda não teve indicação oficial ao Senado Federal, mas já recebeu o aval do presidente americano para ocupar o posto.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem