Doria: Bolsonaro, pare de me atacar e comece a trabalhar

Governador e presidente aumentaram as críticas entre si desde que o Ministério da Saúde suspendeu a intenção de compra das doses da vacina

O governador João Doria (PSDB). Foto: GOVSPS

O governador João Doria (PSDB). Foto: GOVSPS

Política

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em resposta à investida que tem sofrido do presidente Jair Bolsonaro, sugeriu que o presidente pare de atacá-lo e “comece a trabalhar”.

 

 

Segundo o governador, “o povo não quer briga, quer emprego”. “O Brasil não quer divisão, quer compaixão. O Brasil não quer um presidente que só pensa em reeleição”, completou.

Após o presidente afirmar que Doria “só não quebrou” o Estado por causa da ajuda financeira dada pelo governo federal. Bolsonaro também se referiu ao governador como “esse da vacina obrigatória” durante discurso a apoiadores na quarta-feira, 28.

Doria e Bolsonaro aumentaram a frequência das críticas entre si desde que o Ministério da Saúde suspendeu a intenção de compra das doses da vacina contra o novo coronavírus, em produção pelo paulista Instituto Butantã.

Na última semana, em menos de 24h após a assinatura do acordo, o presidente disse que o imunizante não seria comprado. O governo paulista pleiteia junto ao governo federal o financiamento para a produção das doses e aplicação dentro do Plano Nacional de Imunização (PNI) sob responsabilidade do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem