Dom Odilo desrespeita escolha da PUC e alunos entram em greve

Política

Candidata a reitora da PUC-SP, a professora de letras Anna Cintra assinou no dia 13 de agosto um papel em que dizia: “me comprometo a recusar qualquer indicação ao cargo de reitor caso não seja a primeira colocada na eleição deste ano”. Anna Cintra não cumpriu a sua palavra. A professora ficou em terceiro lugar na votação feita por alunos, professores e funcionários na universidade. Mesmo assim, aceitou a indicação do cardeal Dom Odilo Scherer, arcebispo de São Paulo, para ser a nova reitora, anunciada na última terça 13.

Foi o estopim para que os estudantes se mobilizassem para ocupar a reitoria sob o argumento de que a decisão desrespeitava a democracia da universidade. “Que (essa manifestação) seja um exemplo de luta de uma comunidade que não se cala frente aos abusos cometidos pela Igreja, na pessoa do arcebispo”, diz o manifesto assinado por eles.

Na manhã desta quarta 14, eles decidiram se retirar da reitoria e prometeram manter a greve até ela desistir do cargo. Eles andaram até a sede da Fundação São Paulo, mantenedora da faculdade, cantando “Anna Cintra, a culpa é sua, hoje a aula é na rua”.  Os estudantes ainda marcaram uma audiência pública para a próxima quarta-feira 21, convidando funcionários, professores, todos os candidatos à reitoria e o cardeal.

Professores e funcionários ainda não declararam greve. A decisão dos docentes deve ser tomada na quarta 21, já que a universidade não terá aula durante os próximos dias devido aos feriados desta quinta 15 e da próxima terça 20. Segundo o professor Marcelo Figueiredo, diretor da Faculdade de Direito, a coincidência de fazer o anúncio antes das datas foi proposital para enfraquecer a mobilização da comunidade acadêmica.

A decisão de Dom Odilo é semelhante à tomada por José Serra, então governador de São Paulo, em 2009. Serra impôs João Grandino Rodas como reitor da USP . Desde então, sua gestão tem sido marcada por um intenso confronto com o movimento estudantil, inclusive com a entrada da Polícia Militar na cidade universitária.

Reitor diz que não irá resistir

Primeiro lugar na votação da universidade, o atual reitor Dirceu de Mello se diz feliz com as manifestações, mas fala que não deve resistir no cargo. “Eu simplesmente acato a decisão do cardeal, mas me surpreendeu a forma como a regra foi executada”.

Ele havia sido indicado pelo próprio Dom Odilo ao cargo no ano de 2008. Perguntado sobre o mudou na relação com o cardeal nos últimos quarto anos, o atual reitor disse não saber os motivos para não ser escolhido desta vez.

Procuradas pela reportagem, a Fundação São Paulo e Anna Cintra ainda não se pronunciaram. A Arquidiocese de São Paulo disse que o cardeal não vai se manifestar sobre o assunto.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem

Dom Odilo desrespeita escolha da PUC e alunos entram em greve

Política

Candidata a reitora da PUC-SP, a professora de letras Anna Cintra assinou no dia 13 de agosto um papel em que dizia: “me comprometo a recusar qualquer indicação ao cargo de reitor caso não seja a primeira colocada na eleição deste ano”. Anna Cintra não cumpriu a sua palavra. A professora ficou em terceiro lugar na votação feita por alunos, professores e funcionários na universidade. Mesmo assim, aceitou a indicação do cardeal Dom Odilo Scherer, arcebispo de São Paulo, para ser a nova reitora, anunciada na última terça 13.

Foi o estopim para que os estudantes se mobilizassem para ocupar a reitoria sob o argumento de que a decisão desrespeitava a democracia da universidade. “Que (essa manifestação) seja um exemplo de luta de uma comunidade que não se cala frente aos abusos cometidos pela Igreja, na pessoa do arcebispo”, diz o manifesto assinado por eles.

Na manhã desta quarta 14, eles decidiram se retirar da reitoria e prometeram manter a greve até ela desistir do cargo. Eles andaram até a sede da Fundação São Paulo, mantenedora da faculdade, cantando “Anna Cintra, a culpa é sua, hoje a aula é na rua”.  Os estudantes ainda marcaram uma audiência pública para a próxima quarta-feira 21, convidando funcionários, professores, todos os candidatos à reitoria e o cardeal.

Professores e funcionários ainda não declararam greve. A decisão dos docentes deve ser tomada na quarta 21, já que a universidade não terá aula durante os próximos dias devido aos feriados desta quinta 15 e da próxima terça 20. Segundo o professor Marcelo Figueiredo, diretor da Faculdade de Direito, a coincidência de fazer o anúncio antes das datas foi proposital para enfraquecer a mobilização da comunidade acadêmica.

A decisão de Dom Odilo é semelhante à tomada por José Serra, então governador de São Paulo, em 2009. Serra impôs João Grandino Rodas como reitor da USP . Desde então, sua gestão tem sido marcada por um intenso confronto com o movimento estudantil, inclusive com a entrada da Polícia Militar na cidade universitária.

Reitor diz que não irá resistir

Primeiro lugar na votação da universidade, o atual reitor Dirceu de Mello se diz feliz com as manifestações, mas fala que não deve resistir no cargo. “Eu simplesmente acato a decisão do cardeal, mas me surpreendeu a forma como a regra foi executada”.

Ele havia sido indicado pelo próprio Dom Odilo ao cargo no ano de 2008. Perguntado sobre o mudou na relação com o cardeal nos últimos quarto anos, o atual reitor disse não saber os motivos para não ser escolhido desta vez.

Procuradas pela reportagem, a Fundação São Paulo e Anna Cintra ainda não se pronunciaram. A Arquidiocese de São Paulo disse que o cardeal não vai se manifestar sobre o assunto.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem