Política

Do auxílio de R$ 5,1 mil aos saques do FGTS: entenda as novas medidas do governo Lula para o RS

O Auxílio Reconstrução distribuirá cerca de 1,2 bilhão de reais

O presidente Lula durante visita a um abrigo em São Leopoldo (RS). Foto: Ricardo Stuckert/PR
Apoie Siga-nos no

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, anunciou nesta quarta-feira 15 uma ajuda de 5,1 mil reais para os moradores que perderam seus bens em decorrência das enchentes no Rio Grande do Sul. 

A medida, intitulada Auxílio Reconstrução, distribuirá cerca de 1,2 bilhão de reais e atenderá, no primeiro momento, 200 mil famílias. A Caixa Econômica Federal ficará responsável pelos repasses e pelos cadastros, a partir de uma definição da Defesa Civil sobre as áreas atingidas.

Os moradores das regiões contempladas poderão sacar até 6,2 mil reais do FGTS. O governo também derrubou a exigência do intervalo de 12 meses entre as retiradas. 

Rui Costa confirmou que o governo adiantará o pagamento do Bolsa-Família para 17 de maio. Segundo o ministro, ainda há uma busca ativa nos abrigos e 21 mil famílias já terão acesso ao benefício na folha de junho.

Além disso, haverá uma antecipação de 100% do abono salarial dos trabalhadores de carteira assinada no estado. Os gaúchos que têm imóveis financiados pelo programa Minha Casa, Minha Vida ainda poderão suspender o pagamento das parcelas pelos próximos seis meses. 

Também há um compromisso do Palácio do Planalto de auxiliar na recriação de creches, escolas e unidades de saúde destruídas pelas enchentes. As verbas devem ser liberadas à medida que os prefeitos apresentarem as demandas. 

“Vamos fazer o que foi necessário para que essa situação não se repita”, disse Rui Costa.

Novas habitações

Além do Auxílio Reconstrução, o governo federal anunciou outras medidas para as pessoas que tiverem suas casas destruídas pelas chuvas e enchentes nas áreas urbanas. O número de residências perdidas no estado ainda não foi levantado.

“O presidente Lula está garantindo que as casas que foram perdidas na enchente, aquelas que se encaixam dentro do perfil de renda do Minha Casa Minha Vida [faixas] 1 e 2, 100% dessas famílias terão suas casas garantidas de volta pelo governo federal”, afirmou Rui Costa.

Pelas regras do programa habitacional, a faixa 1 compreende famílias com renda bruta familiar mensal de até 2.640 reais. Já a faixa 2 abrange famílias com renda entre 2.640,01 e 4.400 reais.

Entre as medidas apresentadas, está a compra assistida de imóveis usados. Segundo o ministro Rui Costa, a ideia é que as pessoas que se encaixam na faixa de renda do programa possam buscar, desde já, opções de imóveis à venda nas suas cidades, que serão adquiridos a partir de avaliação da Caixa Econômica Federal.

Leia uma apresentação do governo sobre as medidas anunciadas para o Rio Grande do Sul:

APOIO AOS GAÚCHOS 14maio2024 18h41

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo