Política

Dino diz a estudantes que a internet funciona ‘como uma plataforma das ideias da direita’

O ministro da Justiça discursou na abertura do 59ª Congresso da União Nacional dos Estudantes

O ministro da Justiça, Flávio Dino, em discurso de abertura do Congresso da UNE. Foto: Victor Ohana/CartaCapital
Apoie Siga-nos no

A uma plateia de estudantes em Brasília, o ministro da Justiça, Flávio Dino, defendeu a regulamentação das mídias digitais e disse que a internet é uma “plataforma das ideias da direita”.

A afirmação ocorreu em seu discurso na abertura do 59ª Congresso da União Nacional dos Estudantes, nesta quarta-feira 12, na Universidade de Brasília. Ele fez um apelo para que os estudantes se unam contra “inimigos reais” e mencionou a disputa com as big techs pela regulação das redes.

“A gente tem que entender que a internet funciona como uma plataforma das ideias da direita. Funciona como uma plataforma do poder econômico. Funciona como uma plataforma da negação de direitos.”

Em seguida, o ministro afirmou ser uma “tarefa democrática e fundamental enfrentar o poder de quatro ou cinco empresas que mandam na internet e estão veiculando extremismo e ódio”.

Ao lado de Dino estavam o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, e o deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), relator do PL das Fake News.

O Projeto de Lei 2.630/20 institui a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet, com medidas de combate à disseminação de conteúdo falso em sites como Facebook e Twitter e aplicativos como WhatsApp e Telegram.

As regras já foram aprovadas pelo Senado e esperam a análise dos deputados. A Câmara discutiu o texto em maio, mas adiou a votação. Com o recesso parlamentar, o debate só deve retornar em agosto.

Conforme mostrou CartaCapital, o relator disse acreditar que o projeto será votado no segundo semestre, mas apontou obstáculos que podem prolongar as discussões, como o impasse da “estrutura regulatória”. Segundo ele, é preciso analisar propostas que definem “quem vai supervisionar a lei”.

Além disso, as big techs têm pressionado os deputados a barrar o projeto e alegam defesa à liberdade de expressão. No final de abril, o Google estampou em sua página inicial um artigo em que manifestou contrariedade ao PL.

Em resposta, o governo entrou com um processo contra a plataforma americana por suposta prática de publicidade abusiva. Além disso, o STF instaurou um inquérito por ação “abusiva”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo