Política

Datafolha mostra equilíbrio entre Boulos e Nunes na disputa em São Paulo; veja os números

José Luiz Datena, Tabata Amaral e Pablo Marçal aparecem empatados, segundo o levantamento

Boulos X Nunes. Fotos: Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados e Rovena Rosa/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Uma pesquisa Datafolha publicada nesta quarta-feira 29 aponta empate técnico na disputa pela prefeitura de São Paulo. Guilherme Boulos (PSOL) aparece com 24% das intenções de voto, ante 23% do prefeito e postulante à reeleição, Ricardo Nunes (MDB).

Confira os resultados do principal cenário:

  • Guilherme Boulos (PSOL): 24%
  • Ricardo Nunes (MDB): 23%
  • José Luiz Datena (PSDB): 8%
  • Tabata Amaral (PSB): 8%
  • Pablo Marçal (PRTB): 7%
  • Marina Helena (Novo): 4%
  • Kim Kataguiri (União): 4%
  • João Pimenta (PCO): 1%
  • Ricardo Senese (UP): 1%
  • Fernando Fantauzzi (DC): 1%
  • Altino (PSTU): 1%
  • Em branco/nulo/nenhum: 13%
  • Não sabem: 5%

Em um cenário alternativo, sem Datena e Kataguiri, as posições na liderança se invertem, mas permanece o empate técnico: Nunes vai a 26%, Boulos fica com 24%. Neste desenho, Tabata e Marçal marcam 9% cada e Marina Helena registra 6%.

Na modalidade espontânea, em que o instituto não apresenta a lista de candidatos, Boulos tem 13%, contra 9% de Nunes (embora 3%, sem citar o nome, falem em votar no atual prefeito). Datena, Marçal e Tabata têm 1% cada.

Segundo o levantamento, 32% não votariam em Boulos. Na sequência do ranking de rejeição estão Marçal (25%), Nunes (24%), Datena (22%), Kataguiri (21%), Pimenta (19%), Altino (17%), Tabata (16%) e Maria Helena (14%).

O Datafolha entrevistou 1.092 eleitores na capital paulista entre a última segunda-feira 27 e a terça 28. A margem de erro é de três pontos percentuais e o registro na Justiça Eleitoral é SP-08145/2024.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo