Política

Datafolha: Confiança nas urnas eletrônicas aumenta e chega a 82%

Índice também mostra que 77% preferem permanecer nesse sistema de votação, ante voltar ao voto em papel

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira identificou um crescimento na confiança dos brasileiros nas urnas eletrônicas. Entre os entrevistados, 82% dizem que confiam nesse sistema de votação, enquanto 17% afirmam não confiar.

Se comparado com os números do levantamento anterior feito pelo instituto sobre o assunto, ainda em dezembro de 2020, o aumento na confiança é de 13 pontos percentuais — na ocasião, 69% diziam confiar nas urnas eletrônicas. Os que não confiavam eram 29%. Naquele ano, a pesquisa foi feita após as eleições municipais.

Dentre o grupo que diz ter confiança nas urnas eletrônicas, 47% dizem confiar muito, enquanto 35% afirmam confiar um pouco.

Questionados sobre se seria melhor para o Brasil voltar ao sistema de voto em papel, em vigor no país até os anos 1990, 77% dos entrevistados disseram que o ideal é continuar com urnas eletrônicas. Outros 20%, por outro lado, defenderam a volta ao papel.

A comparação com o levantamento do fim de 2020 reforça o aumento da confiança no sistema atual: 73% preferiam continuar com as urnas eletrônicas, enquanto 23% defendiam a volta ao voto em papel.

Além do cenário geral, a pesquisa segmentou a taxa de confiança somente entre os eleitores do presidente Jair Bolsonaro (PL), que critica o sistema das urnas eletrônicas reiteradamente. Dentro desse grupo, 70% dizem confiar no modelo atual.

A defesa da volta do voto em papel, no entanto, chega a 40% entre os eleitores do presidente Jair Bolsonaro. No cenário geral, esse número é de 20%.

O Datafolha ouviu 2.556 eleitores em 181 municípios de todo o país entre terça e quarta-feira desta semana. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-08967/2022. A margem de erro máxima é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, e o nível de confiança do levantamento – isto é, a probabilidade de que ele reproduza o cenário atual, considerando a margem de erro – é de 95%.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo