Política

Damares criará canal para denunciar professores que atentarem contra a religião e família

Segundo a ministra, o governo pretende fazer uma parceria entre as escolas e as famílias

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A ministra Damares Alves (Direitos Humanos) anunciou, nesta terça-feira 19, que vai criar um canal no governo federal para que os alunos possam denunciar professores que, durante as aulas, atentem “contra a moral, a religião e a ética da família”.

O anúncio da ministra aconteceu em Belo Horizonte, onde Damares participou de uma audiência pública na Assembleia Legislativa sobre suicídio e automutilação entre jovens.

“O canal está sendo formatado entre os ministérios da Educação e dos Direitos Humanos. Vai ser anunciado em breve. O que queremos é somente o cumprimento da lei. O Brasil é signatário do Pacto de São José da Costa Rica. Lá está dizendo que a escola não pode ensinar nada que atente contra a moral, a religião e a ética da família”, disse.

Para Damares, a melhor forma de tratar temas como sexo é “de forma correta, obedecendo às especificidades da idade, com professor preparado, como era muitos anos atrás quando eu era criança”, disse ela, que prometeu que não haverá embates.

“A família precisa ser ouvida. O que queremos trabalhar no Brasil é uma parceria de escola e família. A família sendo consultada, mas não delegando suas responsabilidades”, argumentou.

Damares, no entanto, disse que não haverá punição para os professores. “Não existe aqui nenhum governo radical, opressor, que vai proibir falar sobre esses temas, obedecendo, repito, ao material didático certo, à idade certa e à forma certa com as crianças.”

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!