Política

Crivella diz que Bolsonaro está mal informado ao chamar Paes de ‘bom gestor’

Prefeito e candidato à reeleição também criticou pesquisas que o mostram atrás de Paes

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

O prefeito do Rio de Janeiro e candidato à reeleição Marcelo Crivella (Republicanos) agradeceu o apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mas disse que ele classificou o ex-prefeito do Rio e candidato à reeleição Eduardo Paes (DEM) como “bom gestor” por estar mal informado. Ele deu as declarações na manhã deste domingo 15, ao votar acompanhado pela mulher e pelo filho em uma escola da Barra da Tijuca (zona oeste do Rio).

“O apoio que o presidente me deu já foi muito grande. Ele entrou no primeiro turno, quando ia só pro segundo. Quando você é prefeito, governador, presidente, tem que governar com sua base, que quase sempre tem outros candidatos. O presidente teve uma coragem gigantesca, fico imensamente grato”, afirmou, após sair da cabine de votação.

“(Bolsonaro) chamou (Paes) de bom gestor porque não tinha informação”, disse o prefeito. “O Eduardo Paes foi delatado pela Andrade (Gutierrez), OAS, Odebrecht e Carioca Engenharia”, disse elencando construtoras. “Todas as empresas das Olimpíadas disseram que fraudaram as licitações. Eu estou pagando esses R$ 7 bilhões que ele deixou para mim (sic) pagar porque houve superfaturamento, sobrepreço. O secretário do Eduardo pegou 76 anos de cadeia. Bom gestor é quem escolhe secretário que não é preso, que não rouba”, criticou Crivella.

O atual prefeito questionou as pesquisas, dizendo que “elas erraram pra caramba”, e afirmou não estar preocupado com a projeção de derrota em um eventual segundo turno com Paes: “O segundo turno é uma nova eleição, e teremos o mesmo tempo na TV. Eu fui para o segundo turno com o (Luiz Fernando) Pezão (na eleição para governador, em 2014), em vantagem”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!