CPI da Covid: governo diz não ter as atas de reuniões de Bolsonaro com Osmar Terra e ministros

A resposta foi enviada à comissão nesta segunda-feira 14; o senador Alessandro Vieira solicitou as informações

O deputado federal Osmar Terra. Foto: Marcos Corrêa/PR

O deputado federal Osmar Terra. Foto: Marcos Corrêa/PR

Política

O governo de Jair Bolsonaro afirmou à CPI da Covid não ter as atas de cinco reuniões realizadas pelo presidente em janeiro com auxiliares, ministros e o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), que entrou na mira da comissão.

 

 

O ofício foi enviado à CPI nesta segunda-feira 14 pelo chefe do Gabinete Adjunto de Informações do Gabinete Pessoal da Presidência, Carlos Henrique Costa de Oliveira, em resposta a um requerimento protocolado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

No pedido, Vieira escreveu que, “em depoimento à CPI em 20/05/2021, o ex ministro Eduardo Pazuello citou as reuniões com o Presidente Jair Bolsonaro como relevantes para a definição da estratégia adotada durante a crise ocorrida na cidade de Manaus”.

Assim, para Vieira, as informações seriam necessárias para “compreender os temas discutidos e as definições encaminhadas nestas ocasiões”.

Eis os encontros que, segundo a Presidência, não foram registrados em atas:

  • em 5 de janeiro, das 16h às 17h40. Bolsonaro compareceu ao Ministério da Saúde “para uma visita técnica com o ministro de Estado da Saúde e sua equipe”;
  • em 6 de janeiro, das 8h às 9h45. Houve uma reunião, no Palácio do Planalto, com a participação de diversos ministros, entre os quais Braga Netto, Fernando Azevedo e Silva, Paulo Guedes, Ernesto Araújo, Tarcísio Gomes de Freitas e Eduardo Pazuello. Posteriormente, houve uma reforma ministerial e alguns dos presentes deixaram o governo, enquanto outros trocaram de cargo;
  • em 8 de janeiro, das 10h às 10h30. Bolsonaro se reuniu no Planalto com Braga Netto, então ministro-chefe da Casa Civil, e Eduardo Pazuello, então ministro da Saúde;
  • em 13 de janeiro, das 11h30 às 12h. Bolsonaro recebeu no Planalto Osmar Terra e o ministro Luiz Eduardo Ramos, então na Secretaria de Governo;
  • em 15 de janeiro, das 21h às 22h.  No Palácio da Alvorada, Bolsonaro se reuniu com cinco ministros.

 

Osmar Terra, um dos personagens das reuniões não registradas de Bolsonaro, é peça importante na investigação da CPI sobre o ‘ministério paralelo’ que aconselhava o presidente na pandemia. A comissão aprovou em 9 de junho a convocação do deputado, apontado como o ‘cabeça’ de um grupo de médicos que compôs um gabinete extraoficial.

Terra é indicado como o organizador, em 8 de setembro do ano passado, de uma reunião no Palácio do Planalto em que Bolsonaro recebeu de médicos defensores de remédios ineficazes a sugestão de criar um ‘gabinete das sombras’.

“É como se fosse um shadow cabinet (gabinete das sombras, em inglês). Esses indivíduos não precisam ser expostos, digamos assim, à popularidade”, disse na ocasião o virologista Paolo Zanotto. No evento, que contou com a presença de médicos como Nise Yamaguchi, o presidente aparece ao lado de Osmar Terra, a quem participantes se referiam como “padrinho”.

A convicção de senadores é de que um ‘ministério paralelo’ está no centro da postura negacionista do governo federal em meio à emergência sanitária. Teria partido do grupo, por exemplo, a promoção de tratamentos comprovadamente inúteis contra a Covid-19, baseados em medicamentos ineficazes e na contaminação em massa da população. Tudo isso em oposição à prioridade na compra de vacinas.

O ex-ministro da Cidadania não hesitou em propagar mentiras sobre a Covid-19 desde o início da pandemia. CartaCapital reuniu algumas delas.

1. No dia 18 de março do ano passado, Terra declarou que o novo coronavírus mataria menos que o H1N1, que vitimou 796 pessoas em 2019.

2. Em 7 de abril, fez um previsão fantasiosa de que a Covid-19 mataria menos que a gripe sazonal no Rio Grande do Sul, mencionando 950 mortos. “Vai morrer menos gente de coronavírus em todo o Brasil do que gente no inverno gaúcho de gripe sazonal”, insistiu.

3. Em 9 de abril, em conversa com o então ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, Terra apostou em um total “entre 3 e 4 mil mortos”.

4. “Esta epidemia, na minha opinião, vai ser menor e com muito menos dano para a população do que a epidemia do H1N1, por exemplo”, reforçou Terra em uma entrevista no dia 18 de abril.

(Quatro dias depois, Jair Bolsonaro afirmou: “O número de pessoas que morreram de H1N1 no ano passado foi na ordem de 800 pessoas. A previsão é não chegar a essa quantidade de óbitos no tocante ao coronavírus”).

5. A poucos dias do início de abril de 2020, Osmar Terra declarou, em entrevista a uma rádio: “No H1N1 nós não fechamos um restaurante, ninguém pregou quarentena. E foi muito mais grave e matou muito mais gente do que o coronavírus vai matar”.

Abril do ano passado, a propósito, foi o mês que, segundo Terra, marcaria o ‘pico da epidemia no Brasil’.

6. “Nós vamos entrar junho já praticamente sem epidemia no Brasil”, disse em em 23 de abril. Ele repetiu a mentira no mês seguinte.

7. Em maio, em entrevista, também declarou que não seria possível uma pessoa se reinfectar com o coronavírus. “Isso não existe em um período curto de epidemia”, afirmou, negando o perigo das mutações do vírus.

8. As mentiras não pararam por aí. Em julho, em mais de uma oportunidade, disse que a pandemia caminhava para o fim, “sem vacina”.

9. Em 29 de setembro, meses antes de Manaus (AM) mergulhar no caos e antecipar o que todo o Brasil enfrentaria, Terra afirmou que “inventaram que no Amazonas ia ter uma 2ª onda, mas é uma bobagem, não vai ter”.

O ano mudou, mas a postura do deputado, não.

10. No início de janeiro de 2021, quando a capital amazonense vivia um dramático cenário de lotação de hospitais e falta de oxigênio, Osmar Terra foi às redes sociais para escrever que, “embora noticiário alarmista, Manaus tem queda importante de óbitos desde julho, mostrando uma imunidade coletiva (de rebanho) em formação e se manteve assim até o último dia do ano”.

11. Em 3 de fevereiro de 2021, declarou nas redes sociais que “não é verdade” que o Brasil depende da vacinação para vencer a pandemia.

Em depoimento à CPI da Covid em 19 de maio, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello confirmou que Terra levou ao conhecimento do governo a ‘tese’ negacionista da imunidade de rebanho.

“A tese é real. O que tem de novidade e faz a tese não ser plena é que você não sabe o grau de atividade dos anticorpos que serão criados”, analisou o general. “Osmar Terra me falou sobre essa ideia, mas muito superficialmente, me falando sobre o que ele achava”.

Ainda não há data marcada para o depoimento de Osmar Terra à comissão. A convocação, no entanto, vai ao encontro do que antecipou a CartaCapital o presidente da CPI, o senador Omar Aziz (PSD-AM): aprofundar as investigações sobre o ‘ministério paralelo’.

“Três missões da CPI têm de ser cumpridas: quem foi omisso na compra de vacinas e na propagação de medicação falsa; o gabinete paralelo, que induziu o presidente ao erro, que mantém e não faz autocrítica; e se aprofundar para saber do Gabinete do Ódio, sobre a questão das fake news que propagaram na internet”, disse Aziz na entrevista, no fim de maio.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital. Twitter: leomiazzo

Compartilhar postagem