Política

CPI da Braskem aprova relatório com 14 pedidos de indiciamento

O colegiado surgiu para investigar a petroquímica, responsável por minas de extração de sal-gema em Maceió (AL)

Créditos: Geraldo Magela/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

A CPI da Braskem no Senado chegou ao fim, nesta terça-feira 21, com a aprovação do relatório do senador Rogério Carvalho (PT-SE).

O texto defende 14 indiciamentos, entre pessoas físicas e empresas.

O colegiado foi criado para investigar a petroquímica, responsável por minas de extração de sal-gema em Maceió (AL). A ameaça de desabamento causou a saída de moradores de cinco bairros da capital alagoana.

A Braskem é acusada dos crimes de lavra ambiciosa, quando a exploração extrapola o permitido e deixa as minas improdutivas, e de falsificação ideológica em relatórios encaminhados às agências reguladoras. O texto também diz que a mineradora cometeu crimes contra a natureza, ao prejudicar parte da flora de Maceió.

A CPI identificou elementos para indiciar oito pessoas ligadas à Braskem:

Álvaro César Oliveira de Almeida, Diretor Industrial da empresa no período de 2010 a 2019;
Marco Aurélio Cabral Campelo, Gerente de Produção;
Paulo Márcio Tibana, Gerente de Produção entre 2012 e 2017;
Galileu Moraes Henrique, Gerente de Produção entre 2018 e 2019;
Paulo Roberto Cabral de Melo, engenheiro responsável pela primeira mineração da Braskem entre 1976 e 2006;
Alex Cardoso Silva, responsável técnico pela empresa em 2007, 2010, 2017 e 2019;
Adolfo Sponquiado, responsável técnico da empresa no local de mineração entre 2011 e 2016;
Marcelo de Oliveira Cerqueira, Diretor Executivo desde 2013 (atualmente Vice-Presidente Executivo de Manufatura Brasil e Operações Industriais Globais).

Duas empresas que prestaram consultoria à Braskem e três engenheiros também foram alvo de pedidos de indiciamento por apresentarem, de acordo com o relator, laudo enganoso ou falso, delito previsto na Lei de Crimes Ambientais. Os documentos eram usados para demonstrar a regularidade da Braskem ante órgãos públicos e, assim, garantir a renovação de licenças.

O texto ainda responsabiliza os órgãos reguladores e a prefeitura de Maceió por trabalho “negligente” na fiscalização das atividades mineradoras da Braskem na capital alagoana. O relatório cita a Agência Nacional de Mineração, o Instituto do Meio Ambiente de Alagoas e o Serviço Geológico do Brasil – eles, contudo, não foram alvo de pedidos de indiciamento.

O relatório chegará ao Ministério Público, à Polícia Federal, à Defensoria Pública de Alagoas e a outros órgãos para eventuais providências.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo