Covas toma posse e afirma que SP está pronta para vacinar em massa

Prefeito reeleito criticou o negacionismo e disse que a capital paulista deve manter cuidados para reduzir a disseminação da Covid-19

Sessão de posse do prefeito Bruno Covas nesta sexta-feira 1. Reprodução/Câmara Municipal de São Paulo

Sessão de posse do prefeito Bruno Covas nesta sexta-feira 1. Reprodução/Câmara Municipal de São Paulo

Política

O prefeito reeleito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), tomou posse nesta sexta-feira 1. Escolhido com 59,38% dos votos válidos no segundo turno contra Guilherme Boulos (PSOL), o tucano se elegeu, com Ricardo Nunes (MDB) como vice, em uma coligação com onze partidos: PSDB, MDB, Cidadania, Podemos, PP, PSC, PTC, PL, PV, PROS e DEM.

 

 

“A democracia não está garantida. Ela é tão forte quanto a nossa vontade de protegê-la e de não considerá-la como dada. Proteger a democracia exige luta. Com essas palavras, Kamala Harris, vice-presidente eleita dos Estados Unidos, abriu seu discurso de vitória nas eleições americanas. Reafirmo o compromisso da cidade de São Paulo e o meu próprio compromisso com a democracia”, disse Covas no início de seu pronunciamento.

“Em tempos de negacionismo, descrença crescente nas instituições e fragilidade momentânea da democracia representativa, é ainda mais importante reafirmar aquilo que nos é basilar”, prosseguiu.

Segundo o tucano, “as vozes que ecoaram das urnas são claras”.

“Moderação, equilíbrio, respeito à Ciência, humildade e trabalho eficiente. Sem falsa modéstia, creio que nosso projeto foi e será capaz de traduzir o sentimento e a voz da população”, completou, prometendo “sensibilidade social” e “sentido de urgência”.

O prefeito reeleito ainda lembrou as mais de 194 mil mortes por Covid-19 no Brasil. “As vacinas vão chegar. Nossa cidade está pronta para vacinar em massa. Mas ainda precisamos manter os cuidados”, reforçou.

Pelos próximos quatro anos, Covas terá pela frente ao menos 79 promessas a cumprir. O prefeito pretende se “aventurar” em um plano de obras estimado em 18 bilhões de reais. Só os prometidos 95 quilômetros de ônibus devem exigir recursos da ordem de 2 bilhões a 4 bilhões de reais.

Também é esperada para os primeiros dias do novo mandato a apresentação de um plano de volta às aulas presenciais e com recuperação do aprendizado – entre as promessas oficializadas está a inclusão de um professor extra nas salas para auxiliar alunos com mais dificuldades.

Na sessão de posse de Covas, o governador João Doria (PSDB) afirmou que a prioridade em São Paulo tem de ser a saúde. “Em um País que já perdeu 192 mil vidas e que, lamentavelmente, perde quase mil todos os dias, a prioridade em São Paulo é a preservação da vida. Vacina já. É a vacina que vai nos salvar, preservar vidas e dar a oportunidade da volta à normalidade”, declarou.

Também foram empossados nesta sexta os 55 vereadores que ocuparão a Câmara Municipal. Do total, 62% foram reeleitos e 38% exercerão o primeiro mandato. Os donos das maiores bancadas são PT e PSDB, com 8 vereadores cada, seguidos por PSOL e DEM (6); Republicanos (4); Podemos, PSD, MDB e Patriota (3); Novo, PSB e PL (2); e PSL, PP, PV, PSC e PTB (1).

O vereador mais votado na última eleição foi Eduardo Suplicy (PT), com 167.427 votos, à frente de Milton Leite (DEM), com 132.512. Na terceira posição, aparece Delegado Palumbo (MDB), com 118.309 votos.

 

*Com informações da Agência Estado

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital. Twitter: leomiazzo

Compartilhar postagem