Política

Contratos da Precisa Medicamentos cresceram 6.000% com Bolsonaro

Dono da empresa, Francisco Maximiano, também ganhou acesso a ministérios, ao BNDES e à embaixada do Brasil na Índia

Foto: Reprodução Redes Sociais
Foto: Reprodução Redes Sociais

Com Jair Bolsonaro na presidência, o valor de contratos da Precisa Medicamentos com o governo federal cresceu em 6.000%. Dono da empresa, Francisco Maximiano também ganhou acesso a ministérios, ao BNDES e à embaixada do Brasil na Índia. A informação é do jornal Estadão.

A Precisa é a intermediária da compra da vacina Covaxin, principal alvo das suspeitas de corrupção apuradas pela CPI da Covid e Ministério Público Federal. A empresa também é investigada na operação Falso Negativo, por superfaturamento de testes de Covid vendidos ao governo do Distrito Federal.

 

Antes de fechar contratos com a gestão Bolsonaro, a Precisa já havia negociado com o governo federal na gestão de Michel Temer. O contrato fechado com o Ministério da Saúde, chefiado na época por Ricardo Barros, é de 27,4 milhões pelo fornecimento de 11,7 milhões de preservativos femininos.

Francisco Maximiano, dono da Precisa, também é sócio de outra empresa suspeita de desvios, a Global Saúde. A empresa é investigada por receber 20 milhões de reais pela compra de medicamentos que nunca foram entregues. O contrato com o Ministério da Saúde é de 2018, também na gestão de Barros.

Contratos da Precisa com o governo Bolsonaro

O primeiro contrato fechado entre Precisa e Bolsonaro é de setembro de 2019, no valor de 41,2 milhões de reais, pelo fornecimento de 17,6 milhões de preservativos femininos ao Ministério da Saúde.

Em novembro do ano seguinte, a Precisa novamente assina um contrato com o Ministério da Saúde. O valor é de 15,7 milhões de reais pelo fornecimento de 5 milhões de unidades de preservativo feminino.

Em fevereiro de 2021 o grande contrato: 1,6 bilhão de reais pela compra de 20 milhões de doses de vacinas Covaxin. A Precisa é responsável pelo negócio entre governo federal e o laboratório Bharat Biotec.

Entrada no BNDES e na embaixada do Brasil na Índia

As entradas de Francisco Maximiano e da Precisa Medicamentos no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES, e na embaixada do Brasil na Índia também tem participação da gestão Bolsonaro.

No banco, o senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente, foi quem levou a empresa até Gustavo Montezano.

Já na embaixada, Maximiano foi o representante das clínicas privadas na tentativa de compra de imunizantes pelo setor. Maximiano e Precisa, porém, não são oficialmente ligados à Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas (ABCVAC), citada nos documentos da reunião.

Nos documentos do encontro na embaixada, Maximiano teria relatado reuniões prévias com o ministro da Economia Paulo Guedes.

Maximiano será ouvido pela CPI da Covid.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!