Como os vazamentos da Lava Jato podem atingir Bolsonaro?

Consultorias avaliam que o governo pode ter problemas para seguir com a votação das reformas

Foto: Marcos Corrêa/PR Dallas (Texas - EUA)

Foto: Marcos Corrêa/PR Dallas (Texas - EUA)

Política

A “bomba” lançada pelo The Intercept Brasil neste domingo 9 abala não só a Operação Lava Jato e seus defensores. O governo de Jair Bolsonaro também fica suscetível à suspeita de parcialidade política dos procuradores e do ex-juiz Sergio Moro levantada a partir de conversas reveladas entre o agora ministro da Justiça e o coordenador da Lava Jato, Deltan Dallagnol.

As revelações acontecem em um momento em que Bolsonaro tenta deixar para trás os problemas dentro do governo para avançar com as reformas econômicas que os mercados consideram indispensáveis para dinamizar o País, ameaçado pela recessão.

A consultora financeira MCM considerou nesta segunda-feira 10 que os vazamentos “repercutirão na esfera política”.

O caso representa “mais um desgaste para o ministro Moro e sua agenda anticorrupção” e “fortalece o discurso do PT de que Lula foi condenado injustamente”, acrescentou.

A Infinity Assets – outra consultoria -, demonstrou menos alarde e afirmou que os juristas consultados “foram enfáticos em dizer que se trata de conversa em Off, portanto, em âmbito privado e nada fora do corriqueiro, sendo natural em processos da dimensão da Lava Jato”.

“Obviamente, até na ausência de algo mais concreto, a oposição deve tentar se aproveitar, porém o espaço é restrito”.

Com informações da AFP

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem