Política

Como Lira atua para jogar água na fervura entre o Senado e o STF

Ganharam tração na Casa Alta propostas para limitar decisões individuais e impor mandatos a ministros da Corte

O presidente da Câmara, Arthur Lira. Foto: Marina Ramos/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse a aliados que o Congresso Nacional precisa modular o tom na discussão de propostas que emparedam o Supremo Tribunal Federal. Nas conversas, o parlamentar alagoano também demonstrou preocupação com a tensão entre os poderes e afirmou ser contra o modo como o debate tem sido conduzido.

De acordo com líderes partidários ouvidos por CartaCapital, Lira tem atuado como um algodão entre cristais, a fim de filtrar a ofensiva bolsonarista contra a Corte. Segundo os relatos, ele indicou em conversas reservadas ver certo exagero e açodamento nas pautas discutidas.

Nesta semana, em votação-relâmpago, senadores fizeram avançar uma proposta que diminui o poder das decisões individuais no STF. Também voltou a ganhar tração a PEC para definir mandatos de oito anos para ministros da Corte. Essas matérias ainda não foram analisadas pelo plenário da Casa Alta.

O contra-ataque dos congressistas vem na esteira da decisão do STF que declarou inconstitucional a tese do Marco Temporal. A proposta restringia a demarcação de terras indígenas à data de promulgação da Constituição de 1988.

Na Câmara, representantes da oposição tentam obstruir a pauta de votações e pressionam Lira a dar celeridade à PEC das Indenizações, que busca turbinar repasses a ruralistas que tiveram terras demarcadas.

O texto está parado na Câmara desde 2016. Na última terça-feira, o presidente da Câmara chegou a receber o deputado Pedro Lupion (PP-PR), líder da Frente Parlamentar da Agropecuária, para discutir o tema.

Durante o encontro, segundo apurou a reportagem, Lira teria sinalizado que pretende instalar uma comissão especial para analisar a proposta somente após voltar de viagem ao exterior. Entre 10 e 20 de outubro, ele fará um périplo pela Índia e pela China, acompanhado dos principais líderes da Câmara.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo