Política

Com Moro sob risco de cassação, veja os favoritos a uma cadeira no Senado, segundo pesquisa

Os processos miram supostas irregularidades cometidas pela campanha do ex-juiz e devem ser julgados em breve pelo TRE-PR

Apoie Siga-nos no

A ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro (PL) levaria vantagem sobre a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, em uma eventual disputa por uma cadeira no Senado pelo Paraná, segundo levantamento divulgado pelo Paraná Pesquisas nesta quinta-feira 26.

O instituto projeta um cenário posterior ao julgamento de duas ações que podem levar à cassação do mandato do ex-juiz Sérgio Moro (União). Os processos miram supostas irregularidades cometidas pela campanha de Moro e devem ser julgados em breve pelo Tribunal Regional Eleitoral do Paraná. Na sequência, a matéria certamente chegará ao Tribunal Superior Eleitoral.

No principal cenário, Michelle aparece com 35,7% das intenções de voto, seguida pelo ex-senador Alvaro Dias (Podemos), que tem 24,4%, e por Gleisi, com 16,2%.

Esposa de Moro, a deputada federal Rosângela Moro (União) teria 7,4%, enquanto o ex-ministro Ricardo Barros (PP) pontua 4,9%.

Apesar de aparecer na pesquisa, a ex-primeira-dama não tem domicílio eleitoral no Paraná, o que, por enquanto, a impediria de disputar uma vaga no Senado pelo estado.

Outros 6,2% disseram que votariam em branco ou nulo. Por outro lado, 3,7% disseram não saber em quem votariam.

Em outras duas simulações, Michelle segue na liderança com índices que variam de 39,3% a 44,3% das intenções de voto. Gleisi, por sua vez, aparece com 16,5% e 21,8%, respectivamente.

Uma eventual candidatura da ex-primeira-dama enfrenta incertezas. O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, tem garantido a interlocutores que Michelle não será postulante ao Senado pelo Paraná.

A pesquisa ouviu 1.556 eleitores do Paraná, com 16 anos ou mais, de 19 a 23 de outubro de 2023. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais. O nível de confiança é de 95%.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo