Política

Ciro: ‘Lula acha que vai repetir o fenômeno de 2003, mas o Brasil é outro’

Para o pedetista, as principais propostas do ex-presidente estariam ultrapassadas e não condizem mais com a realidade econômica e social do País

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes, afirmou nesta quinta-feira 12 que, na sua visão, o projeto de governo proposto por Lula (PT) está ultrapassado e não condiz mais com a realidade social e econômica do Brasil. Segundo ele, Lula não conseguirá repetir os feitos de 2003 caso seja levado novamente ao poder em outubro deste ano.

“A base censitária no Brasil está errada. Não fizemos o censo que é a cada 10 anos e o Brasil dos últimos 12 anos mudou profundamente. Só quem não sabe disso é o Lula, que parou no tempo, congelou e está completamente defasado e velho, não na idade, mas nas ideias”, disse Ciro em entrevista ao apresentador José Luiz Datena. “Ele não entende mais o Brasil. Lula acha que vai repetir o fenômeno de 2003, mas o Brasil é outro”, completou.

Ainda na entrevista, Ciro voltou a equiparar as propostas de Lula e Jair Bolsonaro (PL). Conforme defendeu, ainda que sejam pessoas diferentes, o petista e o ex-capitão sugerem a manutenção do mesmo sistema econômico e de governança que levou a economia do Brasil ao colapso.

“Lula e Bolsonaro [estão] protegendo um ao outro. Isso porque os dois garantem o mesmo tipo de modelo econômico. Estou falando concretamente, [os dois defendem] câmbio flutuante, superávit primário e meta de inflação”, afirmou. “É o mesmo modelo. Isso é o que explica a tragédia brasileira junto com a governança política”.

O pedetista minimizou ainda seu baixo desempenho nas pesquisas, alegando que os resultados seriam parte do plano do mercado financeiro para manter o atual sistema. Ele, que também voltou a negar que irá retirar sua candidatura, disse ainda estar com dificuldades de contratar uma pesquisa própria e independente.

“O sistema quer me ver expelido, não querem sequer que eu tenha o direito de falar. Exigem todo dia que eu retire minha candidatura. O sistemão ganhou o Lula”, enfatizou em um trecho da conversa com Datena. Mais adiante voltou a tratar de pesquisas:

“Tenho muita humildade para saber do tamanho da dificuldade de ser o único cara que enfrenta o sistema. O sistema é uma coisa muito prática. Acabou de ser divulgada uma pesquisa Genial/Quaest, mas o que diabo é Genial? É um banco! Dois dias antes divulgaram XP/Ipespe…quem é o XP? É outro banco!”, disse ao questionar os resultados que o colocam em terceiro lugar na preferência do eleitorado, com no máximo 10 pontos percentuais, bem distante de Lula, que orbita a casa dos 40 pontos percentuais, e de Bolsonaro, que varia próximo a casa dos 30 pontos.

“Eu não tenho com quem fazer uma pesquisa, estou procurando uma multinacional, um estrangeiro qualquer, que tope vir fazer uma pesquisa no Brasil para que eu próprio possa caminhar com alguma ciência”, lamentou Ciro ao apresentador.

Simone Tebet vice

Ciro foi ainda questionado se aceitaria se aliar com algum dos atuais postulantes da chamada terceira via, acolhendo um dos nomes como vice em sua chapa. Sobre o tema, respondeu ter simpatia apenas por Simone Tebet (MDB), mas relatou dificuldades de compor com ela por Lula já ter ‘corrompido’ integrantes da legenda.

“Tenho uma pessoa que eu respeito muito porque é diferente, não é viúva do bolsonarismo como Doria. É uma pessoa que terá um papel importante, que é a Simone Tebet. Mas ela nesse momento está sendo traída pelo próprio partido, porque Lula está corrompendo”, respondeu o pedetista. “A mão do Lula virou isso, onde encosta é para apodrecer…Ele quer tirar o MDB da Simone Tebet e já está acertado com Eunício Oliveira e Renan Calheiros”, avaliou em seguida.

 

Getulio Xavier

Getulio Xavier Repórter do site de CartaCapital

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.