Política

Ciro critica adversários por falta de mulheres nas chapas: ‘Não adianta fazer homenagem da boca para fora’

Pedetista destacou o programa de renda mínima do seu plano de governo e cobrou que apoiadores elejam deputados do seu partido para ‘acabar com o banditismo em Brasília’

Foto: Keiny Andrade/Divulgação
Apoie Siga-nos no

No segundo dia oficial de campanha eleitoral, o pedetista Ciro Gomes criticou os seus principais adversários na disputa pela Presidência, Lula (PT) e Jair Bolsonaro (PL), por não terem escolhido mulheres para ocupar o cargo de vice. Ao alfinetar os concorrentes, o candidato elogiou sua colega de chapa, Ana Paula Matos, e relembrou o papel de Kátia Abreu na sua campanha em 2018.

“Nós queremos empoderar [as mulheres]. Não adianta fazer homenagem da boca para fora, apenas discurso, e não empoderar a mulher. Quando fui prefeito e governador, mais de dois terços do orçamento eram coordenados por mulheres. Hoje Ana Paula Matos é a minha vice, como foi na eleição passada a grande senadora Kátia Abreu”, destacou Ciro durante sua passagem por Santana de Parnaíba, em São Paulo.

Nestas eleições, quatro chapas são encabeçadas por mulheres: Simone Tebet (MDB), Vera Lúcia (PSTU), Soraia Thronicke (União Brasil) e Sofia Manzano (PCB). Há ainda, além de Ana Paula, outras quatro mulheres candidatas a vice: Mara Gabrilli (PSDB), Raquel Tremembé e Samara Martins (UP). Lula escolheu Geraldo Alckmin (PSB) e Bolsonaro chegou a cogitar Tereza Cristina (PP), mas optou pelo general Walter Braga Netto (PL).

Ainda em Santana de Parnaíba, Ciro também usou boa parte do tempo de conversa com apoiadores e repórteres para tornar destacar seu programa de renda mínima batizado de Eduardo Suplicy. Novamente, ele garantiu que, se eleito, irá erradicar a pobreza tendo o benefício de 1 mil reais como carro chefe das suas políticas sociais.

Foto: Keiny Andrade/Divulgação

“Quem ganha até 417 [reais] por cabeça por mês passará a ter um direito constitucional previdenciário, com receitas arrecadadas como estável, para resolver o problema”, explicou aos moradores do bairro 120, formado em boa parte por uma ocupação.

Ciro ainda cobrou que seus apoiadores votem em candidatos a deputados federais do PDT. Segundo defendeu, esta seria uma maneira de ‘acabar com o banditismo em Brasília’. “É muito importante que você vote para deputado federal em gente que seja séria, que não pegue o seu voto e vá para Brasília fazer o serviço sujo da oligarquia, do privilégio e do banditismo”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.