Carlos Bolsonaro gastou 7 milhões de reais com supostos funcionários fantasmas, diz TV

Vereador é investigado por prática de peculato, crime que ocorre quando um funcionário público desvia verbas para uso próprio

Carlos gastou R$ 7 milhões com supostos funcionários fantasmas. (Foto: Renan Olaz/CMRJ)

Carlos gastou R$ 7 milhões com supostos funcionários fantasmas. (Foto: Renan Olaz/CMRJ)

Política

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) gastou cerca de 7 milhões de reais com onze funcionários supostamente fantasmas. A informação é da Globonews.

De acordo com a emissora, o valor, que não foi corrigido pela inflação, aparece em um documento da investigação sobre o filho do presidente Jair Bolsonaro, em andamento no Ministério Público do Rio (MP-RJ), que trata da suposta prática de peculato, crime que ocorre quando um funcionário público desvia verbas para uso próprio.

Segundo a reportagem, um dos servidores, Guilherme Hudson, recebeu quase 1,5 milhão de reais em 10 anos. A investigação mostra que ele dirigia todos os dias até outra cidade para levar a mulher para estudar, em um percurso que totalizava cinco horas.

O MP-RJ apura em que momento ele atuava para o vereador. A mulher do funcionário, Ananda Hudson, também trabalhou no gabinete e recebeu  117 mil em um ano e cinco meses.

Guilherme disse ao MP que era assessor jurídico e fazia análise da constitucionalidade de projetos de lei apresentados por Carlos. Ele também afirmou ter trocado poucos e-mails com o vereador e que não guardou documentos da época em que esteve vinculado ao gabinete.

Guilherme assumiu a chefia de gabinete depois da saída de Ana Cristina Siqueira Valle, sua prima e ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro. Ana Cristina, por sua vez, recebeu  670 mil em salários.

Na noite de sexta-feira 4, Carlos Bolsonaro criticou a reportagem. Em uma rede social, o vereador afirmou que os autores da matéria devem aprender a fazer contas.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem