Política

Câmara de Porto Alegre decide revogar ‘Dia do Patriota’ comemorado em 8 de janeiro

A lei será revisada pela Câmara Municipal em sessão extraordinária agendada para esta segunda-feira

Apoiadores de Bolsonaro bloquearam rodovias após derrota eleitoral. Foto: Tercio Teixeira/AFP
Apoie Siga-nos no

Após a repercussão negativa, a Câmara Municipal de Porto Alegre revogou o Dia Municipal do Patriota, que seria comemorado no dia 8 de janeiro, mesma data dos ataques golpistas em Brasília. 

O presidente da Câmara, o vereador Hamilton Sossmeier (PTB) convocou reunião extraordinária com os líderes de bancada para tratar da revogação do dispositivo. Após o encontro, o vereador comunicou que o projeto seria revogado em plenário na sessão extraordinária ainda nesta semana. 

“Chegamos a um acordo, com a união dos vereadores, independente de partidos e questões ideológicas, para que a lei seja revogada o mais breve possível através da aprovação do projeto de revogação já existente na Casa”, disse o vereador.

A lei que criava o “Dia do Patriota” foi proposta pelo vereador bolsonarista Alexandre Bobadra (PL) e promulgada pela Câmara. 

Bobadra perdeu o mandato em 15 de agosto ao ser cassado pela Justiça Eleitoral por uso abusivo do fundo eleitoral em benefício próprio.

Em entrevista, o parlamentar se disse arrependido da proposta de lei e alegou que não havia reparado na data em que o Dia do Patriota seria comemorado, mas disse que o projeto “poderia ser em homenagem às pessoas que foram injustamente presas”.

A comemoração, que fazia referencia a tentativa de golpe bolsonarista foi criticada por autoridades, como o ministro da Justiça Flávio Dino, que considerou a lei uma “afronta ao regime democrático”. 

A Procuradoria-Geral da República havia ingressado com um pedido no Supremo Tribunal Federal para considerar a lei que instituiu o dia comemorativo como constitucional. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo