“Brasil merece um presidente que se comporte à altura do cargo”, diz Macron

Jair Bolsonaro fez um comentário considerado sexista sobre a primeira-dama francesa

Os presidentes Emmanuel Macron e Jair Bolsonaro. Foto: Frederico Mellado/ARG

Os presidentes Emmanuel Macron e Jair Bolsonaro. Foto: Frederico Mellado/ARG

Política

O presidente da França, Emmanuel Macron, reagiu a uma fala do presidente Jair Bolsonaro sobre sua esposa. Em sua página no Facebook, Bolsonaro respondeu ao comentário de um de seus seguidores que comparou a beleza da primeira dama do Brasil, 27 anos mais nova que o presidente, com a primeira dama da França, 24 anos mais velha que Macron.

“Não humilha cara. Kkkkkkk”, respondeu Bolsonaro ao seguidor. O comentário foi considerado sexista e repercutiu em toda a imprensa francesa. Na manhã desta segunda-feira 26, Macron deu uma entrevista ao lado do presidente do Chile, Sebastián Piñera, e disse que o comentário sobre sua esposa Brigitte foi “triste” e “extremamente desrespeitoso”.

“O que eu posso dizer a vocês? É triste, é triste, mas é em primeiro lugar triste para ele e para os brasileiros”, afirmou, acrescentando que espera que os brasileiros “tenham um presidente que se comporte à altura”.

A crise entre Bolsonaro e Macron começou quando o presidente francês se manifestou sobre os incêndios que acontecem na Amazônia. Macron anunciou que o assunto seria tratado com urgência na reunião do G7, que aconteceu neste final de semana, na França.

Logo em seguida Bolsonaro e seus ministros começaram a criticar o chefe de estado da França. Um dos ministros que criticaram Macron foi o da Educação, Abraham Weintraub. O titular do MEC chamou Emmanuel Macron de “cretino”.

Pelo Twitter, Weintraub chamou o francês de “calhorda oportunista buscando apoio do lobby agrícola francês”, a respeito da ameaça de que a França não ratificaria o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia caso o Brasil não agisse contra os incêndios na Amazônia.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem