Brasil está muito perto de uma ruptura democrática, diz Mandetta

Para ex-ministro, a pandemia acirra a crise política porque é 'agravada por pontos obscuros que tencionam por uma ruptura entre os Poderes'

Brasil está muito perto de uma ruptura democrática, diz Mandetta

Política

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta fez no domingo 15 uma análise dura e preocupante do atual momento pelo qual passa o Brasil. Mandetta foi muito enfático ao afirmar que vê o País muito perto de uma ruptura democrática.

O ex-ministro participava no início da noite de “live” organizada pelo Parlatório, grupo que reúne formadores de opinião de todo Brasil. De acordo com ele, a pandemia, que é pano de fundo para a crise econômica em todo o mundo, acirra a crise política no Brasil porque é “agravada por pontos obscuros que tencionam por uma ruptura entre os Poderes”.

 

Ao se referir especificamente à pandemia, o ex-ministro criticou a postura do governo, do qual ele fez parte quando comandava a pasta da Saúde, por ter demorado muito por escolher o caminho das vacinas. Para ele, se a escolha pelo caminho da vacina tivesse sido tomada no tempo ideal, mortes ao longo do primeiro semestre teriam sido evitadas.

“A boa notícia é que a nossa rede de vacinação confirmou sua eficácia. Temos uma boa capilaridade no sistema saúde”, disse Mandetta.

De qualquer forma, segundo o ex-ministro, “devemos atravessar o segundo semestre inteiro tentando aplicar a segunda dose da vacina e lutando contra a variável delta”. Mais que isso, continuou o ministro, se aparecer uma cepa da Covid-19 resistente às vacinas, o País vai voltar à estaca zero.

No final da sua apresentação, Mandetta deixou uma palavra de alento, ao afirmar que, com a crise sanitária – que é pano de fundo para as crises econômica e política no Brasil – saindo do radar, é possível que o País volte aos níveis de boa convivência do pré-crise.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem