Política

Boulos vota por arquivar processo contra Janones no Conselho de Ética

O argumento é que a acusação se baseia em supostos fatos anteriores à atual legislatura. O caso diz respeito a uma suspeita de ‘rachadinha’

Deputado federal Guilherme Boulos (PSOL - SP). Foto: Bruno Spada/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Guilherme Boulos (PSOL-SP) votou nesta quarta-feira 15 pelo arquivamento de um processo no Conselho de Ética da Câmara contra o deputado André Janones (Avante-MG). A representação partiu do PL e mira uma suposta quebra de decoro parlamentar.

A acusação parte de uma investigação contra Janones por suposta prática de “rachadinha” em seu gabinete. O Supremo Tribunal Federal abriu a apuração no fim de 2023.

Segundo Boulos, relator da representação, as suspeitas são anteriores ao início do atual mandato de Janones, em janeiro do ano passado. Os fatos estão na mira da Polícia Federal desde 2021.

“Voto pela ausência de justa causa para acolhimento da representação proposta pelo PL em face do deputado André Janones, arquivando-se, por conseguinte, o presente feito”, concluiu o parlamentar do PSOL.

O relator ainda declarou que outros casos recentes sequer chegaram ao Conselho de Ética, a exemplo de uma acusação do PSOL contra deputados que teriam estimulado ou participado indiretamente dos atos golpistas de 8 de Janeiro de 2023, sob a avaliação de que teriam ocorrido antes da atual legislatura.

Na sessão desta quarta, houve um pedido de vista, o que interrompeu a votação do relatório de Boulos. Ainda não há uma data definida para a análise do caso pelos demais integrantes do colegiado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo