Boulos diz que vai atuar para unir esquerda e tirar Brasil do atoleiro

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, candidato do PSOL desconversou sobre candidatura em 2022

Boulos e Erundina em campanha. Foto: Reprodução redes sociais

Boulos e Erundina em campanha. Foto: Reprodução redes sociais

Política

O candidato derrotado à Prefeitura de São Paulo Guilherme Boulos (PSOL) disse na segunda-feira 30 que seu foco a partir de agora será unir o campo progressista para “tirar o Brasil desse atoleiro”.

 

 

“Eu vou ajudar a construir, tendo saído mais forte das eleições, um processo de unidade do campo progressista, não apenas do ponto de vista eleitoral, mas também da disputa política”, afirmou em entrevista à Folha de S.Paulo.

Boulos conquistou na capital paulista mais de 2 milhões de votos, mas perdeu para o tucano Bruno Covas. “Nem sempre é no tempo que a gente quer, do jeito que a gente quer. A gente tem que olhar as coisas não apenas pelo resultado de uma eleição, mas pelas tendências. Esta eleição pode ser um enfraquecimento considerável de um ciclo de autoritarismo. Prefiro olhar para a frente”, disse.

Na última sexta-feira 27, dia que estava marcado o debate na TV Globo, Boulos foi diagnosticado com Covid-19 e precisou fazer quarentena. Com isso, não compareceu aos últimos compromissos.

“Certamente o fato de não ter ocorrido o debate da Rede Globo, que seria o de maior audiência, foi um prejuízo maior à nossa candidatura do que à do meu adversário”, analisa.

Sobre 2022, Boulos desconversou e voltou a falar em união da esquerda para derrotar Jair Bolsonaro.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem