Política

Bolsonaro vai ganhar porque a economia reelege um presidente, diz Ciro Nogueira

Ao minimizar o desastre econômico sob a gestão do ex-capitão, o líder do Centrão afirmou que ‘estaríamos perto da China se não tivéssemos tido a pandemia’

O presidente Jair Bolsonaro durante solenidade de posse do ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, disse nesta quarta-feira 26 que o presidente Jair Bolsonaro (PL) “vai ganhar” as eleições deste ano, apesar de estar atrás de Lula (PT) nas principais pesquisas de intenção de voto.

Líder do Centrão, o senador licenciado pelo PP do Piauí afirmou, em entrevista ao jornal O Globo, que “quem reelege o presidente é a economia, e a vida das pessoas vai melhorar”. Para ele, “a possibilidade de reeleição é muito grande”.

Questionado sobre o peso dos cargos que o PP ganhou para o apoio ao governo, Ciro declarou que “nós mudamos a forma de fazer política” e “hoje os partidos estão no governo porque têm identificação com o projeto do presidente Bolsonaro”.

Ao minimizar o desastre econômico sob a atual gestão federal, o ministro afirmou que “estaríamos perto da China se não tivéssemos tido a pandemia”.

“Não tenha dúvidas que voltamos com a maioria dos índices anteriores à pandemia e agora nós temos um potencial de crescimento muito grande”, emendou.

Na terça-feira 25, o Fundo Monetário Internacional voltou a cortar a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto do Brasil em 2022. A estimativa anterior, de 1,5%, caiu para 0,3% na comparação com o crescimento projetado de 2021, de 4,7%.

Trata-se da previsão de crescimento mais baixa dentre todos os países analisados, conforme o documento Panorama Econômico Mundial. Para 2023, o FMI estima um crescimento de 1,6% no Brasil.

Nesta quarta, o boletim Salariômetro, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, apontou que trabalhadores formais completaram três anos sem reajuste salarial que equivalesse à inflação no período.

Bolsonaro, ao contrário do que prometia como candidato, entregou o coração do governo ao Centrão. O símbolo do avanço desse grupo sobre a gestão é justamente a nomeação, oficializada em agosto de 2021, de Ciro Nogueira.

Mesmo assim, o ex-capitão tem recorrido ao “loteamento de ministérios” como tema da ofensiva a Lula. Em 12 de janeiro, durante evento no Palácio do Planalto, acusou o petista sem demonstrar quaisquer evidências, como de praxe.

“Não tenho provas, mas vou falar. Como é que aquele cidadão (faz um sinal de nove dedos) está conseguindo apoios, apesar de uma vida pregressa imunda, já? Loteando ministérios. Para um partido, ofereceu a Caixa Econômica”, alegou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo