Política

Bolsonaro usa live para atacar a CPI da Covid e mentir sobre ‘tratamento imediato’

‘Aquela pessoa que é contra tratamento imediato e não dá alternativa é, no mínimo, um canalha, tá? Porque eu tomei aquele remédio’, disse

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Foto: Reprodução/Redes Sociais

O presidente Jair Bolsonaro disse que recusaria um convite para depor na CPI da Covid, caso recebesse um.

“Eu não aceitaria ser convidado para CPI para Renan Calheiros (MDB-AL). Quer convocar? É o poder da CPI convocar. Agora, aceitar convite para ser inquirido por uma figura desqualificada como Renan Calheiros ou Otto Alencar (PSD-BA)? Ou Omar Aziz (PSD-AM), não tem realmente cabimento isso ai. CPI é coisa séria, pessoal. No passado, CPIs eram levadas com muita mais seriedade. Pessoal acha que CPI vai derrubar um presidente, mas porque? Estão apurando desvio de recurso? Não, né?”, afirmou Bolsonaro em sua live semanal nesta quinta-feira 3.

Ele afirmou que a comissão estaria perdendo uma oportunidade de, segundo ele, discutir o “tratamento imediato” que, para o presidente, consiste no uso de medicamentos com ineficácia cientificamente comprovada contra a Covid-19, como é o caso da hidroxocloroquina. Bolsonaro também fez ataque aos integrantes da CPI.

Ele chamou o relator da CPI, Renan Calheiros, de “recordista em inquérito no Supremo” e se referiu ao presidente da comissão, Omar Aziz, como “PhD em desvio de recurso”. Ele evitou citar o nome do vice-presidente do colegiado, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), e disse apenas “o outro lá, aquela pessoa lá do Amapá”.

“Aquela pessoa que é contra tratamento imediato e não dá outra alternativa é, no mínimo, um canalha, tá? Porque eu tomei aquele remédio. Não vou falar aqui para não cair a minha live, eu tomei aquele remédio. Senti mal há poucas semanas, tomei o meu remédio também, o mesmo remédio, no dia seguinte fiz o teste, por coincidência não estava infectado”, disse. Posteriormente, Bolsonaro afirmou ter feito o teste antes de viajar ao Equador no fim de maio.

Enquanto o Brasil ultrapassa o número de 469 mil mortes pela doença e sofre com o atraso de vacinas, Bolsonaro disse que não politizou a pandemia.

“Vou pagar com a mesma moeda, o que que está comprovado cientificamente você usar depois que você tiver falta de ar? Um tubo? Agora, mais cedo ou mais tarde, isso virá à tona, verão que milhares de pessoas poderiam estar entre nós, vivas, se o outro lado não politizasse isso. Eu não politizei isso, não politizei isso. Quem politizou foi o outro lado, quem diz para não tomar e não dar outra alternativa são eles”, afirmou.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!