CartaExpressa

Bolsonaro se incomoda com insistência de Weintraub em disputar governo paulista

O presidente defende publicamente a candidatura do ministro Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura

O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub, durante reunião com o presidente Jair Bolsonaro. Foto: Marcos Corrêa/PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro tem se incomodado com a postura do ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, que tem sinalizado que irá concorrer ao governo paulista contra o candidato apoiado pelo presidente, o ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas. A informação é do jornal O Globo.

Segundo apurado pelo jornal, Bolsonaro tem criticado o ex-ministro, comparando suas atitudes com a dos antigos ministros que se tornaram críticos do governo federal, como Luiz Henrique Mandetta, Gustavo Bebianno e Carlos Santos Cruz. 

Recentemente, Weintraub desaprovou publicamente a aliança do presidente com partidos do Centrão, bem como teceu comentários duros quanto a “linha de pensamento” do ministro da Infraestrutura. 

“A linha de pensamento deles não é igual a minha e de meu irmão, porque nós somos conservadores, anti-sistema, não queremos ficar batendo papo furado com quem tem ligação com esquema de corrupção ou com quem prega o absurdo”, disse o ex-ministro, citando também o nome da médica Nise Yamaguchi e da deputada estadual, Janaina Paschoal. 

Em uma entrevista exibida no domingo 16, Weintraub se recusou a maldizer de seu antigo chefe, no entanto, deixou escapar que Bolsonaro soube com antecedência de operações policiais que envolviam o senador Flávio Bolsonaro. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo