Política

Bolsonaro se diz vítima de ‘perseguição clara’ por Barroso, Fachin e Moraes

O ex-capitão usou mais de uma hora de sua visita à Rússia para dar entrevista à Jovem Pan

O presidente Jair Bolsonaro (PL) durante entrevista em Moscou, na Rússia. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro (PL) acusou os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes de praticarem “perseguição clara” contra ele. A declaração ocorreu durante uma entrevista de mais de uma hora à Rádio Jovem Pan, nesta quarta-feira 16, durante visita oficial à Rússia.

“Continuarei tranquilo como presidente da República, respeitando a Constituição, jogando dentro das quatro linhas. Mas a gente espera que isso tudo tenha um fim. É difícil continuar… Lamentavelmente, três ministros do Supremo Tribunal Federal agindo dessa maneira, com perseguição clara à minha pessoa, claríssima”, disse.

Bolsonaro reagia a uma afirmação de Fachin dada ao jornal O Globo sobre a Rússia possivelmente ser a principal origem de ataques de hackers ao Tribunal Superior Eleitoral. A entrevista foi publicada no dia em que o presidente brasileiro se encontrou com o russo Vladimir Putin.

O ex-capitão disse ser “triste e constrangedor” receber a notícia sobre o comentário do magistrado.

“Isso é lamentável”, afirmou. “Se as urnas são invioláveis, se todo o processo eleitoral é garantido, por que temer possíveis hackers?”

Bolsonaro afirmou ainda que Fachin comprovou que não teria “confiança” no sistema eleitoral.

Os ministros do Supremo protestam contra Bolsonaro desde o episódio do vazamento de um inquérito sigiloso da Polícia Federal, com investigações sobre um ataque hacker ao sistema eleitoral em 2018. O TSE admite a detecção da invasão, mas diz que a ação não interferiu no pleito.

Barroso, no entanto, afirmou na abertura dos trabalhos da Corte neste de que Bolsonaro teria facilitado a ação de novos hackers a partir do vazamento de dados do inquérito.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo