Bolsonaro se diz chateado com Queiroz: “Pode ter coisa errada? Pode”

Em entrevista à Veja, presidente também admite indicação de Vélez sem conhecê-lo e diz que PSL 'pegou qualquer um'

Bolsonaro se diz chateado com Queiroz: “Pode ter coisa errada? Pode”

Política

Ao passo em que o Ministério Público do Rio de Janeiro coleta mais dados para desvendar o suspeito caso de Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz, o presidente da República vai ficando preocupado. “Se alguém mexe com um filho teu, não interessa se ele está certo ou está errado, você se preocupa”, disse Jair Bolsonaro em entrevista à revista Veja. E ainda levantou mágoas: “Estou chateado porque houve depósitos na conta dele (Queiroz), ninguém sabia disso, e ele tem de explicar isso daí.”

Quanto mais tenta se explicar, mais o filho senador e o amigo de longa data se enrolam. Enquanto o filho 01 tenta, em vão, barrar as investigações ao tentar suspender a quebra do sigilo bancário pela terceira vez, a população pressiona por respostas: mais de 200 mil pessoas já assinaram um abaixo assinado pela cassação do mandato do senador.

O presidente, no entanto, acredita que se deva deixar apurar ‘um pouquinho mais’ casos de denúncias antes dos investigados se tornarem réus, e disse ter cobrado explicações do filho sobre os depósitos para supostos candidatos laranjas. “Depois, resolveram não fazer campanha. É um absurdo”, relatou à reportagem.

“Errei quando indiquei o Ricardo Vélez como ministro”

Bolsonaro ainda comentou sobre educação, formação do PSL e sobre a facada que levou nas eleições. Em relação ao primeiro nome escolhido para a pasta da Educação, Bolsonaro admitiu ter recebido a indicação diretamente de Olavo de Carvalho, e aparentemente não parou para checar o currículo.

Depois liguei para ele: “Olavo, você conhecia o Vélez de onde?” “Ah, de publicações.” “Pô, Olavo, você namorou pela internet?”

 

Ao apontar que o Ministério da Educação tem o ‘aparelhamento mais forte’, Bolsonaro diz ‘não ser contra’ que as escolas digam quem foi Che Guevara, mas apenas se disserem também quem foi o Coronel Brilhante Ustra – torturador da ditadura condenado pelo Estado brasileiro e constantemente defendido pelo presidente.

Qual ditadura faz uma campanha “Brasil, ame-o ou deixe-o”?

Formação do PSL: “nós fomos pegando qualquer um”

O presidente negou que tenha intenções de sair do PSL e contou sobre a campanha realizada pelo partido e como eles agregaram os parlamentares da legenda. “Tem muita gente que entrou e acabou se elegendo com a estratégia que eu adotei na internet”, disse Bolsonaro.

Eu falava: “Clica aqui. Vote em um desses colegas nossos”. Teve muita gente que falou para mim: “Nossa, eu não esperava me eleger”.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem