Bolsonaro reafirma que coronavírus “não é isso tudo que dizem”

O presidente voltou a minimizar a pandemia que já matou 6.513 pessoas

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que "pessoas com HIV são despesa para o país". Foto: Arquivo/Antônio Cruz/Agência Brasil

Política

O presidente Jair Bolsonaro voltou a minimizar a pandemia de coronavírus que o mundo enfrenta. No dia seguinte ao ter descumprido orientação do Ministério da Saúde para evitar aglomerações, o capitão afirmou, nesta segunda-feira 16, que a crise mundial “não é isso tudo que dizem”.

“Foi surpreendente o que aconteceu na rua. Até com esse superdimensionamento. Tudo bem que vai ter problema. Vai ter. Quem é idoso e está com problema ou deficiência. Mas não é isso tudo que dizem. Até que na China já está praticamente acabando”, afirmou o presidente na entrada do Palácio da Alvorada.

O presidente afirmou ainda que a epidemia da doença na China, considerado o epicentro da doença, está praticamente acabando. No Brasil, os casos confirmados já somam 200 pessoas e 1.917 pessoas em 26 estados e no Distrito Federal são monitoradas por suspeitas de estarem infectadas.

Bolsonaro havia feito um pronunciamento na quinta-feira 12 pedindo para que as manifestações fossem canceladas pelo avanço do coronavírus no Brasil. A decisão aconteceu após a OMS classificar o novo vírus como uma pandemia. O Ministério da Saúde também pediu para que aglomerações fossem evitadas.

nos protestos pró-governo deste domingo, além de incentivar pelas redes sociais, Bolsonaro desceu a rampa do Palácio do Planalto, cumprimentou e tirou fotos com apoiadores. O presidente, no entanto, está em quarentena após viajar para os EUA e ter contato com sete pessoas que foram diagnosticada com coronavírus.

“Imprensa mentirosa aí. Capa dos jornais aí falando que eu estou falando para fechar o Congresso ou Supremo. Nunca falei isso, nada. Tudo é mentira. O tempo todo”, afirmou.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem