Bolsonaro provavelmente está passando o coronavírus para outras pessoas, diz infectologista

Nos últimos dias, presidente esteve com ministros, apoiadores, jornalistas e embaixador dos EUA no Brasil

Foto: Isac Nóbrega/PR

Foto: Isac Nóbrega/PR

Política,Saúde

O presidente Jair Bolsonaro confirmou, nesta terça-feira 07, que está contaminado com o coronavírus. O resultado positivo levanta agora outras problemáticas além do teste: Bolsonaro teria infectado outras pessoas com as quais teve contato nos últimos dias?

De acordo com a agenda da segunfa-feira 06, Bolsonaro se encontrou com o presidente do Inmetro, Marcos de Oliveira Junior, com o vice-presidente de assuntos de segurança da NTC&Logística, Roberto Mira. Também cumpriu agenda com os ministros Paulo Guedes (Economia), Braga Netto (Casa Civil), Jorge Oliveira (Secretaria-Geral), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e José Levi (Advocacia-Geral da União), além de encontro com o secretário especial de Cultura, Mario Frias.

Já no final de semana, a agenda foi mais cheia. Sem respeitar as recomendações de distanciamento social, Bolsonaro se reuniu com ministros e com o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, para comemorar a data de independência dos EUA. Nenhum deles usava máscaras. O encontro foi registrado por diversas fotografias oficiais.

Bolsonaro no almoço de comemoração da independência dos EUA (Foto: Isac Nóbrega/PR)

 

O presidente abraça o embaixador americano Todd Chapman (Foto: Clauber Cleber Caetano/PR)

Na sexta-feira 03, o presidente também teve um encontro com empresários ligados à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), incluindo Paulo Skaf, presidente da Federação. Imagens da reunião mostram uma sala repleta de empresários, ministros e demais representantes sem máscaras.

Foto: Marcos Corrêa/PR

Durante esse tempo, o presidente também não parou de cumprimentar apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, apesar do uso da máscara nessas ocasiões. Na segunda-feira 06 de manhã, Bolsonaro chegou a tirar fotos com crianças. No fim da tarde, porém, afirmou que estava retornando do Hospital das Forças Armadas.

“Eu vim agora no hospital, fiz uma chapa de pulmão. Tudo está limpo. Faça um exame covid agora há pouco, mas está tudo bem”, afirmou ele. “Não pode chegar muito perto não, tá. Recomendação para todo mundo”, disse aos eleitores.

No momento do anúncio de que estava contaminado, que foi transmitido ao vivo por uma pequena coletiva de imprensa no Palácio, Bolsonaro tirou a máscara, em certa hora, para falar com os jornalistas, que usavam o adereço de proteção.

“Ele provavelmente está passando para outras pessoas”, diz médico

O infectologista Marcos Boulos, que trabalha no Centro de Contingenciamento de Coronavírus do estado de São Paulo, afirmou que o período de incubação do coronavírus varia de um a quatro dias, podendo chegar até a uma semana para que a pessoa contaminada comece a sentir sintomas.

Desse tempo, o presidente poderia começar a transmitir o vírus sem saber. “Ele [o vírus] começa a ser transmitido um pouco antes dos sintomas estarem claros”, afirma o médico, enfatizando que essas chances são maiores um dia antes dos sintomas sentidos por Bolsonaro. No entanto, o médico observa que não havia essa preocupação por parte do presidente. “Ele provavelmente está passando para outras pessoas, mas ele nunca se isentou de fazer isso.”, diz Boulos.

Agora, será necessário rastrear os últimos contatos do presidente para a realização de testes de covid-19, explica o infectologista.

“O que a gente não tem feito no País e deveria ter sido feito desde o começo é que, quando você tem um caso positivo, de cada 5 pessoas que você rastreia, deve encontrar outras 2 que são positivas. Normalmente, [a chance] é de 40%. Por isso que é importante fazer os testes, porque as vezes as pessoas não sabem e continuam passando.”, diz o médico.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem