Política

Bolsonaro pede desculpas ao STF por vídeo que compara ministros a hienas

Presidente afirmou que não se podia culpar Carlos Bolsonaro pela publicação. Hoje, apoiadores impulsionaram a hashtag #HienasdeToga

O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Evaristo Sá/AFP)
O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Evaristo Sá/AFP)

O presidente Jair Bolsonaro resolveu pedir desculpas ao Supremo Tribunal Federal por comparar a instituição a ‘hienas’ em um vídeo publicado na segunda-feira 28 nas redes sociais – que foi apagado depois.

“Me desculpo publicamente ao STF. Foi uma injustiça, sim, corrigimos e vamos publicar uma matéria que leva para esse lado das desculpas. Erramos e haverá retratação”, disse Bolsonaro ao jornal O Estado de S. Paulo.

Bolsonaro aproveitou para isentar-se do ato da publicação do vídeo, o que atribuiu a terceiros, mas disse que a culpa era sua. Questionado sobre a possibilidade do filho Carlos Bolsonaro ter feito a publicação – o que já aconteceu antes em relação a -, o presidente disse que “não se pode culpar o Carlos”, já que outras pessoas também possuem a senha da rede social do presidente. Veja o vídeo completo abaixo:

Em viagem pelos Emirados Árabes Unidos, Bolsonaro havia virado as costas mais cedo para jornalistas que o questionaram acerca do vídeo e, também, de uma declaração do ministro do Supremo Celso de Mello sobre o ocorrido.

“Esse comportamento revelado no vídeo em questão, além de caracterizar absoluta falta de “gravitas” e de apropriada estatura presidencial, também constitui a expressão odiosa (e profundamente lamentável) de quem desconhece o dogma da separação de poderes e, o que é mais grave, de quem teme um Poder Judiciário independente e consciente”, disse o ministro.

Apesar do pedido de desculpas de Bolsonaro, a hashtag #HienasDeToga era uma das mais comentadas do Twitter na manhã desta terça-feira, impulsionada por apoiadores do presidente e perfis robôs usualmente utilizados em ações semelhantes.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!