Bolsonaro: Não nasci para ser presidente, quem nasceu está preso

'Se fosse o Haddad presidente, que países ele teria visitado? Bolívia, Venezuela e Cuba?'

Bolsonaro: Não nasci para ser presidente, quem nasceu está preso

Política

“Quando disse que não nasci [para ser presidente], era verdade. Quem nasceu está preso.” Foi com essas palavras que Jair Bolsonaro avaliou os primeiros cem dias de seu governo. O presidente se referia a uma declaração feita no final da semana passada, quando afirmou que não havia nascido para ser presidente, e sim militar.

A declaração foi feita ao jornalista Augusto Nunes, da Jovem Pan, em entrevista divulgada nesta segunda-feira 8. Bolsonaro respondia uma pergunta sobre o diálogo com os brasileiros nas redes sociais, e disse querer “trazer cada vez mais gente” para o lado do governo.

“Se fosse o Haddad presidente, que países ele teria visitado? Estados Unidos, Chile, Israel? Ou Bolívia, Venezuela e Cuba? É isso daí, Augusto. Quando outro dia eu falei que não estou preparado para ser presidente, não nasci para isso, é verdade. Quem nasceu está preso, estocando vento ou respondendo processo.”

O presidente também admitiu que Carlos Bolsonaro, que é vereador no Rio de Janeiro, ainda tem o controle de seus perfis nas redes sociais. “As redes sociais não me tomam mais do que 30 minutos do meu dia. Quem me ajuda nessa coordenação é o Carlos Bolsonaro. Até por isso as pessoas querem afastá-lo de mim”, disse.

Ainda elogiando o filho, sugeriu que ele deveria ter um cargo no governo. “Acho até que ele deveria ter cargo de ministro, ele que me botou aqui. Foi a mídia dele que me botou aqui”. No início do ano, o nome de Carlos chegou ser ventilado para a Secom, mas nomear parentes é vedado pelo Lei Antinepotismo. À época, o presidente afirmou que o filho não teria mais acesso a seus perfis virtuais.

Bolsonaro também comentou a participação de Paulo Guedes na CCJ, e criticou a falta de apoio dos parlamentares do PSL na ocasião. “Faltou o líder levar [os deputados] lá e também faltou, por falta de experiência política, argumentos para debater.”

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem