Bolsonaro ignora coronavírus, visita comércio e causa aglomeração no DF

O presidente descumpriu o distanciamento social e o isolamento recomendado pelo Ministério da Saúde

Presidente Jair Bolsonaro vai ao mercado em Brasília. Foto: reprodução.

Presidente Jair Bolsonaro vai ao mercado em Brasília. Foto: reprodução.

Política

Em meio à pandemia do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro, que tem 65 anos, foi visitar vários comércios locais ainda abertos em Brasília neste domingo 29.  A saída do presidente acontece um dia depois do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, defender a manutenção das medidas de isolamento para conter o avanço do novo coronavírus.

O presidente cumprimentou seguidores, andou pelo local e causou aglomeração, algo extremamente perigoso no momento, pois Brasília tem 242 casos confirmados de contaminação pelo coronavírus, com 39 pessoas da UTI e outras nove em situação altamente crítica.

Bolsonaro compartilhou o momento em suas redes sociais, no qual seguidores pedem que o presidente reabra as igrejas e apoiam a ideia de que o Brasil não pode parar. “O que eu tenho conversado com o povo, eles querem trabalhar. É o que eu tenho falado desde o começo. Vamos tomar cuidado, a partir dos 65 fica em casa…”, declarou o presidente.

– Agora, Ceilândia/DF.

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Sunday, March 29, 2020

São poucos os estabelecimentos abertos neste domingo, porque a cidade cumpre decreto do governador, Ibaneis Rocha, que determina o fechamento de lojas e shoppings para evitar a circulação das pessoas e tentar controlar a propagação da covid-19. Apenas os serviços considerados essenciais podem funcionar.

Depois de visitar os comércios, o presidente esteve no Hospital das Forças Armadas (HFA), onde esteve por cerca de 20 minutos, cumprimentou populares e profissionais que lá estavam. Não há informação oficial sobre a razão da visita ao hospital.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem