Política

Bolsonaro diz ter apoiado traíras do PSDB em 2018: ‘Quem nunca errou?’

A declaração do presidente se referia aos candidatos do PSDB que apoiou em 2018

Repdoução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

No ‘cercadinho’ do Palácio Alvorada nesta sexta-feira 18, o presidente Jair Bolsonaro chamou de ‘traíra’ alguns dos candidatos que apoiou na eleição de 2018, se referindo aos políticos do PSDB que participaram de sua campanha, como João Doria. Ele também voltou a criticar as medidas de isolamento social e o uso de máscaras.

A declaração do presidente foi feita logo na chegada, ao conversar com um apoiador que celebrava a votação da privatização da Eletrobras, mas que lamentava que o voto de um senador do PSDB tenha sido o responsável pela diferença. A MP foi aprovada com um voto a mais do que o necessário — pelo PSDB apenas Roberto Rocha, do Maranhão, foi favorável ao texto.

“Só um defeito ser do PSDB”, disse o apoiador. Bolsonaro então respondeu: “Quem nunca fez coisa errada, né? Eu mesmo escolhi um montão nas eleições de 2018 e tinha um montão de traíras do meu lado”.

Medidas de isolamento

Bolsonaro também voltou a criticar as medidas de isolamento, dando destaque às adotadas em Araraquara, São Paulo.

“A minha maior preocupação em São Paulo é Araraquara, uma covardia o que o prefeito está fazendo lá”, destacou o presidente, lamentando também a reeleição do prefeito da cidade, Edinho Silva, do PT.

Segundo Bolsonaro, a política de isolamento social só tem gerado “desgraça”. Novamente o presidente reforçou que segue estudando uma forma de desobrigar o uso de máscara para quem já foi contaminado pela doença ou vacinado, medida que especialistas já afirmaram serem temerárias neste momento pelo qual atravessa a pandemia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo