Mundo

Bolsonaro diz que só aceitará ajuda do G7 se Macron pedir desculpas

O presidente, no entanto, não mencionou uma reparação ao comentário considerado sexista dirigido à primeira-dama francesa

O presidente Jair Bolsonaro anunciou, na manhã desta terça-feira 27, que só aceitará a ajuda de 20 milhões de dólares dos países integrantes do G7 caso o presidente da França, Emmanuel Macron, se redimir e pedir desculpas para ele. Bolsonaro não demonstrou, no entanto, qualquer intenção de pedir desculpas à primeira-dama francesa, Brigitte Macron, a qual ele dirigiu um comentário considerada sexista.

“Primeiramente, o seu Macron tem que retirar os insultos que fez a minha pessoa. Ele me chamou de mentiroso. E, depois, informaram que a nossa soberania está em aberto na Amazônia. Para conversar ou aceitar qualquer coisa da França, que seja das melhores intenções possíveis, ele vai ter que retirar essas palavras e daí a gente pode conversar”, declarou Bolsonaro.

 

Na segunda-feira 26, o Palácio do Planalto informou oficialmente que vai recusar os 20 milhões de dólares anunciados por Macron em nome dos países que formam o G7 para ajudar no combate às queimadas na Amazônia.

“Agradecemos, mas talvez esses recursos sejam mais relevantes para reflorestar a Europa. O Macron não consegue sequer evitar um previsível incêndio em uma igreja que é um patrimônio da humanidade e quer ensinar o quê para nosso País? Ele tem muito o que cuidar em casa e nas colônias francesas”, disse ao G1 o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Falta de comunicação no governo

O desencontro de informações sobre a crise na Amazônia denota falhas na articulação dentro do próprio governo de Jair Bolsonaro. Em um mesmo dia, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que a ajuda internacional seria bem-vinda. Já o ministro da Casa Civil disse que não aceitaria ajuda e nesta terça-feira o presidente disse que aceitaria, mas com condições.

“Eu falei isso? Eu falei? O presidente Bolsonaro falou?”, indagou o presidente.

Já Salles deixou o caminho aberto para os recursos vindo dos países integrantes do G7. “Quem vai decidir como usar recursos para o Brasil é o povo brasileiro e o governo brasileiro. De qualquer forma, a ajuda é sempre bem-vinda”, disse em evento promovido pelo Sindicato da Habitação de São Paulo.

Bolsonaro fala com os jornalistas na saída do Palácio da Alvorada (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

No Brasil, as chamas devastaram áreas na região de fronteira com a Bolívia e provocaram uma fumaça densa que aumenta a poluição ao longo da Amazônia, um tesouro ecológico de 5,5 milhões de quilômetros quadrados.

Sob pressão internacional, o presidente Jair Bolsonaro determinou no domingo o envio de dois aviões Hércules C-130 e uma vasta operação militar para controlar os incêndios.

Entre sexta-feira e sábado foram registrados 1.130 novos incêndios, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a maioria na bacia do rio Amazonas.

Maior mobilização internacional

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu nesta segunda-feira 26, durante a cúpula do G7 em Biarritz, a mobilização da comunidade internacional para preservar a Amazônia, onde os incêndios florestais estão se multiplicando.

“Há um forte apelo, e espero que possamos mobilizar muito mais recursos para ajudar os países da Amazônia”, disse Guterres após uma reunião do G7 sobre o clima e as queimadas na América do Sul.

É necessário, acrescentou, “uma forte vontade coletiva para preservar esse patrimônio universal, absolutamente essencial para o bem-estar da população mundial”.

Guterres informou que uma reunião será realizada sobre este tema durante a Assembleia Geral da ONU no final de setembro.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!