Política

Bolsonaro diz que não pode aceitar passivamente as prisões de aliados

‘Um ministro do Supremo Tribunal Federal mandar prender, isso não é justo’, destacou o presidente em referência a Alexandre de Moraes

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Foto: Reprodução/Redes Sociais

O presidente Jair Bolsonaro  confirmou nesta segunda-feira 23 que participará dos atos do dia 7 de setembro, em que são apontadas possíveis ações de ruptura democrática. O mandatário afirmou que estará em Brasília e em São Paulo e garantiu que as manifestações não terão tons ameaçadores.

Em entrevista à rádio Nova Regional, de São Paulo, Bolsonaro disse ainda que tomou ações, como o pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes,  do Supremo Tribunal Federal, por considerar que o magistrado tomou decisões exageradas e que vão contra o artigo 5º da Constituição Federal.

“Um ministro do Supremo Tribunal Federal mandar prender, isso não é justo. A crítica, por pior que seja, você tem que tolerar. A liberdade de expressão é ampla e garantida a todos nós”, destacou Bolsonaro, que criticou ainda as decisões que decretaram as prisões do presidente do PTB Roberto Jefferson, do deputado federal Daniel Silveira e de blogueiros que o apoiam.

“Foi preso há pouco tempo um deputado federal e continua preso até hoje, em prisão domiciliar. A mesma coisa um jornalista, ele é jornalista, é blogueiro, também continua em prisão domiciliar até hoje. Temos agora um presidente de partido. A gente não pode aceitar passivamente isso, dizendo: ‘ah, não é comigo’. Vai bater na tua porta”, acrescentou.

Na conversa, o presidente destacou também a indicação de André Mendonça ao STF e disse que a oposição dos parlamentares ao nome é política e não técnica. Ao jornalista, Bolsonaro relembrou o compromisso que o provável ministro firmou com ele de iniciar sessões da Corte com uma oração.

“Caso ele seja aprovado pelo Senado, ele começa a sessão com uma oração. Acredito que Deus sempre é bem vindo em qualquer lugar. E no Supremo Tribunal Federal, com toda certeza, Deus vai fazer muito bem aquela Corte”, disse.

Fake news sobre vacina

Bolsonaro voltou a mentir sobre a Coronavac ao insinuar que a vacina não imuniza contra o coronavírus. O mandatário também afirmou que em breve pretende acabar com a obrigatoriedade do uso de máscaras, medida que vai contra as recomendações científicas para enfrentar a Covid-19. As declarações foram dadas em entrevista

“O Brasil nesse quesito [vacinação] está muito bem. Obviamente, a gente pede a Deus e torce pela efetividade da vacina, se bem que algumas vacinas não tão dando certo. Tem uma chinesa aí, que gente tomou a segunda dose, mas tá se infectando, tá morrendo e não é pouca gente”, afirmou Bolsonaro. “A gente espera que a Anvisa dê uma resposta pra isso ou o próprio Butantan dê uma resposta pra isso, que a população tem direito de saber da real efetividade da vacina que tá tomando”, completou.

Ao contestar a eficácia, Bolsonaro não diz a verdade. O tema já foi esclarecido por especialistas, que demonstraram que nenhum imunizante é totalmente eficaz contra infecções, mas que combatem as manifestações clínicas, sobretudo as mais graves. Mesmo com a imunização completa é possível que pessoas adoeçam e morram, principalmente os mais idosos. Por isso, especialistas ressaltam a importância de se manter cuidados como o uso de máscaras e o distanciamento social mesmo após a vacinação, como mostrou reportagem recente de CartaCapital.

Também na contramão das recomendações, Bolsonaro ainda garantiu que em breve pretende retirar a obrigatoriedade do uso de máscaras no Brasil. Segundo informou, irá se reunir ainda nesta segunda-feira 23 com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para definir a data em que tornará facultativo o uso do equipamento.

“Eu pedi um estudo para nosso Ministério da Saúde e hoje vou me reunir com o ministro Queiroga para nós darmos uma solução para esse caso. A ideia é o seguinte: pela quantidade de vacinados, pelo número de pessoas que já contraíram o vírus…quem contraiu o vírus obviamente está imunizado também, como é o meu caso…nós tornarmos facultativo, orientarmos, que o uso da máscara não precisa mais ser obrigatório. Essa é a nossa ideia que talvez tenha uma data a partir de hoje para essa recomendação do Ministério da Saúde”, explicou novamente propagando desinformação, já que ainda não está claro para a ciência de que infectados sejam imunes ao vírus.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!