Política

Bolsonaro diz que Mandetta foi uma “desgraça” no Ministério da Saúde

No momento em que o País tem mais de 91 mil mortos por covid-19, o presidente disse que Pazuello está fazendo um ‘trabalho excepcional’

Créditos: Reprodução
Créditos: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro disse que Luiz Henrique Mandetta foi uma “desgraça” no comando do Ministério da Saúde. A declaração foi dada em sua live semanal nesta quinta-feira 30, no momento em que defendia a gestão do general Eduardo Pazuello, ministro interino da pasta.

“Tem gente que fica discutindo se o Pazuello tinha que ser substituído por um médico. Tivemos um primeiro médico lá, olha a desgraça que foi”, disse o presidente.

Bolsonaro afirmou que o general tem feito um trabalho “excepcional” pela saúde do País. “Tá funcionando”, disse, ao emendar que o general é disponível para atender demandas de recursos pedidos por prefeitos. “Têm até alguns que pedem a cloroquina, ele tem feito chegar”, disse.

O presidente também rebateu as críticas que integrantes da área de Saúde têm feito a Pazuello por entregar cargos da área a generais.

“São cinco mil pessoas atuando, ele levou quinze militares pra lá. É a equipe dele, pô, por coincidência militares”, rebateu.

“O pessoal tem que ver: se o ministério está dando errado, aí  não interessa se é militar, se é a paisana, não interessa quem é. Ou bota a casa em ordem ou dá a casa pra outro”, completou, defendendo o atual ministro interino.

 

O presidente reservou um curto espaço de tempo para reafirmar que o Brasil está participando do consórcio de vacina comandado pela Universidade de Oxford, que pode render 100 milhões de doses de vacinas ao País.

“Não é daquele outro país, tá ok, pessoal?”, declarou, em clara crítica à parceria estabelecida entre o governo do estado de São Paulo e um laboratório chinês.

O País soma 91.263 mortos por coronavírus e ultrapassou a marca de 2,6 milhões de casos.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!