Bolsonaro defende trabalho infantil sob aplausos de empresários

'Bons tempos, né? Onde o menor podia trabalhar', disse o presidente em evento da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes

Bolsonaro em evento promovido pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). Foto: PR

Bolsonaro em evento promovido pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). Foto: PR

Política

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o trabalho infantil, em evento promovido pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel)  nesta terça-feira 25, em Brasília.

“Bons tempos, né? Onde o menor podia trabalhar. Hoje ele pode fazer tudo, menos trabalhar, inclusive cheirar um paralelepípedo de crack, sem problema nenhum”, disse o presidente.

Bolsonaro, que participava do Congresso Nacional da Abrasel, foi aplaudido por empresários ao revelar que trabalhou em um bar aos 10 anos, por ordem do pai.

“Meu primeiro emprego, sem carteira assinada, obviamente, tinha 10 anos de idade, foi no bar do seu Ricardo em Sete Barras, no Vale do Ribeira. Eu estudava de manhã e à tarde, das 2 (horas) da tarde até as 6, 7 (horas) da noite… Tinha pouca gente no bar, a galera que gosta de uma birita chega um pouquinho mais tarde, e eu trabalhava ali com ele, meu pai me botou lá”, contou o presidente.

O trabalho no Brasil é permitido para adolescentes a partir dos 16 anos. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), aprovado em 1990, ainda autoriza o trabalho a partir dos 14 anos na categoria de aprendiz.

Bolsonaro é um crítico da legislação. O presidente já defendeu em outras ocasiões que crianças e adolescentes possam trabalhar como forma de “enobrecimento”.

O País assumiu nas Nações Unidas o compromisso de acabar com a exploração ilegal de menores até 2025.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem