Bolsonaro defende Moro e diz que não vê maldade nas mensagens

'Do outro lado, havia doleiros, empreiteiros, e poucos políticos que não têm qualquer compromisso com a honestidade', afirmou o presidente

Bolsonaro defende Moro e diz que não vê maldade nas mensagens

Política

O presidente Jair Bolsonaro declarou que não vê maldade na troca de mensagens entre o então juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, e os procuradores da operação, entre eles Deltan Dallagnol. Também afirmou que o afastamento do atual ministro da Justiça e Segurança Pública não foi pensada em nenhum momento.

As afirmações foram feitas nesta sexta-feira 14 durante um café da manhã com jornalistas, em que o presidente também anunciou a demissão do presidente dos Correios por considerá-lo sindicalista.

Para defender Moro, o presidente declarou “do outro lado, havia doleiros, empreiteiros, e poucos políticos que não têm qualquer compromisso com a honestidade”.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Moro também disse que não vai se afastar do cargo, que é vítima de um ataque criminoso de hackers e que vê viés político-partidário na divulgação das mensagens. Ele acusa o site The Intercept Brasil de não lidar com transparência diante o conteúdo, que vem sendo publicado em partes.

Para ele, não há ilicitude nas trocas de mensagens, mas um “sensacionalismo”. “Estou absolutamente tranquilo em relação à natureza das minhas comunicações”, declarou.

O ministro deve ir ao Senado no próximo dia 19 de junho prestar esclarecimentos sobre as mensagens divulgadas. “Sempre me pautei pela legalidade e estou me colocando à disposição para esclarecer no que eu posso.” Moro diz não se preocupar com a possibilidade de divulgação de novas mensagens. “Não tem nada ali, foi sensacionalismo barato.”

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem