Política

Bolsonaro critica multa de 40% do FGTS: ‘quase impossível ser patrão’

‘Até contratar uma pessoa para a sua casa está difícil’, disse o presidente

Foto: Marcos Corrêa/PR
Foto: Marcos Corrêa/PR

Jair Bolsonaro voltou a falar sobre o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) nesta sexta-feira 19, mas não para anunciar mais novidades sobre possíveis saques. O presidente criticou a multa de 40% paga pelos empregadores quando não há demissão sem justa causa. “É quase impossível ser patrão no Brasil”, disse o presidente. Depois, reafirmou uma frase de campanha: “um dia o trabalhador vai ter que decidir: menos direito com emprego ou todos os direitos sem emprego”.

A fala foi feita à imprensa após Bolsonaro sair de um almoço com a igreja evangélica Sara Nossa Terra, em Brasília. Para ele, “é quase impossível ser patrão no Brasil” – o que justificaria uma possível retirada da multa, hipótese afirmada pelo presidente em um primeiro momento. Logo depois, negou e disse que desconhece qualquer trabalho nesse sentido. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, acompanhava o presidente na coletiva.

Para o presidente, os direitos trabalhistas configuram interesse eleitoral de “pessoas populistas e comunistas”. Para exemplificar, disse: “Muita gente bota na cabeça do povo que eu estou errado, eu estou perseguindo o pobre. Não, eu estou mostrando a verdade. Até contratar uma pessoa para a sua casa está difícil”.

 

O ministério discute a possibilidade de os trabalhadores sacarem até 35% dos recursos de suas contas ativas, mas os detalhes estão sendo discutidos pela equipe de Guedes. O presidente repete medida adotada pela equipe de Michel Temer, que permitiu saque das contas do FGTS em 2017.

O governo estuda liberar os saques de acordo com a data de aniversário do trabalhador e quem ainda vai fazer aniversário este ano já poderá ter direito ao saque.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!