Política

Bolsonaro chega a Anguillara Veneta, na Itália, para receber título honorário

Homenagem a Bolsonaro gera polêmica na Itália. Políticos locais, religiosos e ativistas condenam honraria

(Photo by Alberto PIZZOLI / AFP)
Apoie Siga-nos no

Com o fim da cúpula do G20, o presidente da República, Jair Bolsonaro, chegou na manhã (horário de Brasília) desta segunda-feira em Anguillara Veneta, comuna da província de Pádua no interior da Itália, onde nasceram e viveram os antepassados do chefe do Executivo. Lá, receberá ainda nesta data o título de cidadão honorário.

A outorga da homenagem foi aprovada pelo poder legislativo local sob protestos da comunidade e de grupos ligados à causa ambiental. Na sexta-feira, militantes chegaram a pichar “Fora, Bolsonaro” nas paredes da prefeitura de Anguillara Veneta.

De acordo com a programação oficial divulgada pelo governo, após a cerimônia, que deve contar com a presença de parentes distantes do presidente, Bolsonaro será recebido em almoço organizado pela prefeita Alessandra Buoso, filiada ao partido de direita Liga e autora do projeto de homenagem.

A solenidade de entrega do título honorário não deverá ser transmitida ao vivo, esclarece a equipe de comunicação que acompanha o presidente na Itália.

Para marcar presença em uma agenda pessoal na cidade de origem de sua família, Bolsonaro deixa de ir à 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP-26, em Glasgow, Escócia, onde estarão reunidos os principais líderes globais. Apenas um vídeo gravado pelo presidente deverá ser exibido – e no pavilhão destinado ao Brasil.

O governo decidiu enviar como chefe da delegação o Ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, como uma “estratégia”, na explicação de Bolsonaro.

O vice-presidente Hamilton Mourão, no entanto, disse que a ausência do chefe do Executivo seria para evitar “pedradas”, já que o Brasil é bastante criticado no exterior por sua política ambiental.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo