Política

Bolsonarista que convocou atiradores para posse de Lula é preso em ato golpista em Brasília

A ordem de detenção expedida por Alexandre de Moraes foi cumprida pela Polícia Federal nesta terça-feira

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O empresário bolsonarista Milton Baldin, que convocou atiradores para impedirem a posse de Lula no dia 1º de janeiro, foi preso na noite de terça-feira 6 quando participava de um ato golpista em Brasília.

A ordem de prisão foi expedida pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, e cumprida pela Polícia Federal. A suspeita é de que ele seja um dos financiadores dos atos antidemocráticos na capital federal. Ele estava em frente ao quartel do Exército quando foi detido e levado para prestar depoimento.

Baldin é do Mato Grosso, mas está em Brasília há várias semanas liderando protestos que tentam impedir que o presidente eleito Lula tome posse. Ele e seus aliados se acumulam em frente ao quartel e pedem que as Forças Armadas promovam um golpe no País.

No dia 26 ele convocou CACs – caçadores, atiradores e colecionadores – para participarem de um protesto durante a posse do petista. Na mensagem gravada em vídeo, Baldin pede ainda que empresas mandem os seus caminhoneiros para os atos golpistas.

“Gostaria de pedir ao agronegócio, a todos empresários, que deem férias aos caminhoneiros e mandem os caminhoneiros vir para Brasília”, diz Baldin no vídeo. “São só 15 dias, não vai fazer diferença”.

Na mesma publicação o bolsonarista pede a presença dos armados na capital. “Também queria pedir aos CACs, que têm armas legais…hoje nós somos, inclusive eu, 900 mil atiradores… venham aqui mostrar presença.”

A mensagem foi lida como uma ameaça à integridade física do presidente eleito. A segurança no dia da posse é, inclusive, uma preocupação e tem exigido um elaborado plano que envolve 700 policiais federais, um esquadrão antibomba, agentes à paisana e equipamentos que neutralizam o sinal de drones e impedem sobrevoos na área do evento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo