Justiça

Barroso vota contra abertura de processo disciplinar no CNJ sobre Hardt e juízes da Lava Jato

O Conselho Nacional de Justiça analisa o caso no plenário virtual

Foto: Ana Araújo/Ag. CNJ
Apoie Siga-nos no

O presidente do Conselho Nacional de Justiça e do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, votou nesta quarta-feira 29 por rejeitar a abertura de processos administrativos disciplinares contra quatro magistrados ligados à Lava Jato:

  • Gabriela Hardt, ex-titular da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR);
  • Danilo Pereira Junior, atual titular da Vara;
  • Loraci Flores de Lima, desembargador do TRF-4; e
  • Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, desembargador do TRF-4.

O CNJ, composto por 15 conselheiros, analisa o caso no plenário virtual.

“Ao decidir litígios, juízes sempre desagradam um dos lados em disputa, às vezes ambos. Para bem aplicar o direito, magistrados devem ter a independência necessária”, argumentou Barroso. “A banalização de medidas disciplinares drásticas gera receio de represálias, e juízes com medo prestam desserviço à Nação.”

Já o corregedor nacional de Justiça, Luís Felipe Salomão, votou pela abertura de processos contra os quatro magistrados.

Partiu de Salomão, em abril, a decisão de afastar os quatro juízes de seus respectivos cargos. Um dia depois, o plenário do CNJ reverteu o afastamento de Hardt e Pereira Junior, mas manteve a decisão sobre os desembargadores do TRF-4.

O afastamento era resultado da inspeção conduzida pelo Conselho na 13ª Vara e no TRF-4, responsáveis pelos processos da Lava Jato na primeira e na segunda instâncias, respectivamente.

A investigação identificou indícios de conluio com o objetivo de destinar valores bilionários para serem usados com exclusividade por integrantes da força-tarefa.

Segundo a apuração, houve uma “gestão caótica” de verbas resultantes de acordos firmados com empresas pelo Ministério Público Federal e homologados pela 13ª Vara.

No âmbito desses acordos, a Lava Jato repassou à Petrobras 2,1 bilhões de reais, entre 2015 e 2018, período em que a empresa era investigada nos Estados Unidos. Cerca de 2,5 bilhões de reais, por fim, serviriam para criar uma fundação privada que supostamente empreenderia ações contra a corrupção.

Depois de meses de impasse, o ministro do STF Alexandre de Moraes decidiu que os 2,5 bilhões de reais, correspondentes a 80% de uma multa imposta à Petrobras por órgãos americanos, seriam destinados à educação e ao combate a queimadas na Amazônia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo