Educação

Bancada ruralista tenta anular questões do Enem e convocar o ministro da Educação

Frente Parlamentar da Agropecuária alega que perguntas da prova têm ‘cunho ideológico’

Créditos: Wilson Dias / Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A Frente Parlamentar da Agropecuária divulgou um comunicado nesta segunda-feira 6 no qual critica três questões da primeira etapa do Exame Nacional do Ensino Médio, aplicada no domingo 5, e defende a convocação do ministro da Educação, Camilo Santana (PT), para audiências no Congresso Nacional.

No texto, a bancada ruralista pede a anulação das questões 70, 71 e 89 (relativas à prova branca). Segundo a avaliação do grupo, as perguntas “são mal formuladas, de comprovação unicamente ideológica”, e permitem “que o aluno marque qualquer resposta, dependendo do seu ponto de vista”.

A pergunta 89 trazia um questionamento sobre os fatores negativos do agronegócio no Cerrado; a 71 tratava da corrida espacial financiada por bilionários; e a 70 tinha como temas o avanço da cultura da soja e o desmatamento da Amazônia. 

A FPA alega que as questões foram elaboradas “sem critério científico ou acadêmico”. 

“Não permitiremos que a desinformação seja propagada de forma criminosa entre nossa sociedade, como foi feito durante os anos anteriores do governo atual”, diz a nota. 

Além da anulação das questões, a frente parlamentar requer a convocação de Camilo Santana para sessões na Câmara dos Deputados e no Senado a fim de, supostamente, esclarecer os critérios da banca organizadora da prova e as referências usadas nas questões. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.